Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 30 de outubro de 2020
SADER_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

Seis regiões da Bolívia anunciam paralisação de 24h contra Evo

25 Ago 2007 - 10h36
 

Seis departamentos bolivianos, liderados por organizações cívico-empresariais de oposição, intensificaram a pressão contra o presidente Evo Morales, culpando-o pelos conflitos no Congresso e na Assembléia Constituinte e colocando-o numa das piores crises de seus 19 meses de governo.

Os comitês cívicos de Santa Cruz, Tarija e Chuquisaca anunciaram, em reuniões distintas, uma greve de 24 horas para a próxima terça-feira para protestar contra a atuação do governo em questões como a da Assembléia Constituinte e no caso dos magistrados suspensos do TC (Tribunal Constitucional).

Os líderes civis de Beni definirão nesta sexta se também vão convocar uma greve e os de Cochabamba ainda avaliam quais medidas irão tomar. Apenas as organizações civis de La Paz, Oruro e Potosí, redutos políticos do presidente, se mantêm distantes das mobilizações de seus pares.

Os líderes civis querem que Sucre volte a ser sede dos poderes Executivo e Legislativo, cedidas a La Paz na guerra civil do século XIX. Além disso, rejeitam o julgamento de responsabilidades aprovado pelo governante MAS (Movimento ao Socialismo) na Câmara dos Deputados contra os quatro magistrados do Tribunal Constitucional, acusados de prevaricação por Evo Morales.

O poderoso Comitê de Santa Cruz anunciou ainda que apresentará uma denúncia formal à OEA (Organização dos Estados Americanos) e às Nações Unidas "pelas violações do Movimento ao Socialismo à Carta Democrática Interamericana". O governo de Morales, abalado pela forte pressão regional, acusa os comitê cívicos de usarem a reivindicação de Sucre para gerar conflito de ordem política.

Sucre é o principal foco do conflito, onde mais de 300 pessoas fazem greve pedindo que a cidade volte a ser sede do governo. Porém, o presidente Morales é contra esta idéia. A direção do fórum deliberativo suspendeu seus trabalhos por tempo indeterminado, por medo de os delegados das regiões serem agredidos nas ruas, segundo a presidente da casa e diretora do governista MAS, Silvia Lazarte.

O defensor do Povo, Waldo Albarracín, está em Sucre para mediar as conversas entre os líderes civis e as autoridades da Assembléia Constituinte, que em um ano de trabalho não aprovou nem um artigo sequer da nova Carta Magna por divergências ideológicas internas.

No Congresso, o clima ainda é tenso porque membros da oposição e do governo não conseguem entrar no acordo, desde a decisão do MAS -majoritário na Câmara dos Deputados- de julgar quatro magistrados do Tribunal Constitucional. A abertura do processo provocou uma briga -de socos e pontapés- entre legisladores do governo e da oposição no Congresso, quarta-feira, e desde então as atividades estão paradas na casa.

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

TENTATIVA DE ESTUPRO
Vídeo mostra empresário assediando jovem na entrevista de emprego
PANE EM AVIÃO
'Sobrevivemos só com a água chuva', diz cantor de MT que ficou 24 dias na mata
PANDEMIA AINDA NÃO ACABOU
Pandemia avança e MS registra 555 novos casos de Coronavírus em apenas 24h
INCÓGNITA
Governo ainda não definiu como será o 13º de quem teve corte salarial
ANTICORPOS
Bebê nasce com anticorpos contra covid-19
Vítima contou violência sexual para a tia ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Idoso é denunciado por estuprar filha de amigos e a enteada
FENÔMENO DA NATUREZA
Evento raro: Lua Azul poderá ser vista no Dia das Bruxas
AUXILIO POPULAÇÃO
Caixa deposita auxílio emergencial nesta 5ª feira para nascidos em novembro
FOI MAL
Bolsonaro recua e revoga decreto que facilita privatização dos postos do SUS
90% RECUPERADOS
Brasil tem 158,4 mil mortes por covid-19 desde início da pandemia