Menu
SADER_FULL
quarta, 3 de junho de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Seis regiões da Bolívia anunciam paralisação de 24h contra Evo

25 Ago 2007 - 10h36
 

Seis departamentos bolivianos, liderados por organizações cívico-empresariais de oposição, intensificaram a pressão contra o presidente Evo Morales, culpando-o pelos conflitos no Congresso e na Assembléia Constituinte e colocando-o numa das piores crises de seus 19 meses de governo.

Os comitês cívicos de Santa Cruz, Tarija e Chuquisaca anunciaram, em reuniões distintas, uma greve de 24 horas para a próxima terça-feira para protestar contra a atuação do governo em questões como a da Assembléia Constituinte e no caso dos magistrados suspensos do TC (Tribunal Constitucional).

Os líderes civis de Beni definirão nesta sexta se também vão convocar uma greve e os de Cochabamba ainda avaliam quais medidas irão tomar. Apenas as organizações civis de La Paz, Oruro e Potosí, redutos políticos do presidente, se mantêm distantes das mobilizações de seus pares.

Os líderes civis querem que Sucre volte a ser sede dos poderes Executivo e Legislativo, cedidas a La Paz na guerra civil do século XIX. Além disso, rejeitam o julgamento de responsabilidades aprovado pelo governante MAS (Movimento ao Socialismo) na Câmara dos Deputados contra os quatro magistrados do Tribunal Constitucional, acusados de prevaricação por Evo Morales.

O poderoso Comitê de Santa Cruz anunciou ainda que apresentará uma denúncia formal à OEA (Organização dos Estados Americanos) e às Nações Unidas "pelas violações do Movimento ao Socialismo à Carta Democrática Interamericana". O governo de Morales, abalado pela forte pressão regional, acusa os comitê cívicos de usarem a reivindicação de Sucre para gerar conflito de ordem política.

Sucre é o principal foco do conflito, onde mais de 300 pessoas fazem greve pedindo que a cidade volte a ser sede do governo. Porém, o presidente Morales é contra esta idéia. A direção do fórum deliberativo suspendeu seus trabalhos por tempo indeterminado, por medo de os delegados das regiões serem agredidos nas ruas, segundo a presidente da casa e diretora do governista MAS, Silvia Lazarte.

O defensor do Povo, Waldo Albarracín, está em Sucre para mediar as conversas entre os líderes civis e as autoridades da Assembléia Constituinte, que em um ano de trabalho não aprovou nem um artigo sequer da nova Carta Magna por divergências ideológicas internas.

No Congresso, o clima ainda é tenso porque membros da oposição e do governo não conseguem entrar no acordo, desde a decisão do MAS -majoritário na Câmara dos Deputados- de julgar quatro magistrados do Tribunal Constitucional. A abertura do processo provocou uma briga -de socos e pontapés- entre legisladores do governo e da oposição no Congresso, quarta-feira, e desde então as atividades estão paradas na casa.

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

JULGAMENTO
TSE julga se cassa Bolsonaro e vice a partir de terça
AUXILIO DOENÇA
Como pedir concessão e prorrogação do auxílio-doença durante pandemia
1º CASO NO BRASIL
Paciente recuperada de coronavírus no Piauí volta a ter teste positivo
VITIMAS DA COVID 19
Mãe, avó e irmão de jovem morrem por covid-19: 'essa doença é horrível'
COVID-19
Brasil registra mais de 31 mil mortes por covid-19
COISA MEDONHA
Mulher é desenterrada e estuprada um dia após ser sepultada
DOURADOS - NOVO EPICENTRO COVID-19
Dourados é novo epicentro do coronavírus em MS com mais de 300 casos confirmados
AUXÍLIO EMERGENCIAL
Caixa LIBERA 2ª parcela do auxílio de R$ 600 em contas dos beneficiários, veja os meses
ABSURDO
Médica relata ter sofrido agressões por parte de frequentadores de 'festas de corona'
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Menino de 9 anos, acidentalmente mata irmã de 7 anos com espingarda