Menu
SADER_FULL
segunda, 26 de julho de 2021
Busca
Brasil

Segurança alimentar e nutricional cresce com a agroecologia

24 Set 2010 - 17h26Por Agência Notisa

A alimentação saudável é um dos pilares da promoção de saúde. Mas para que ela ocorra de maneira realmente eficiente, o seu modo de produção também deve ser lavado em consideração. No estudo “Diálogo entre agroecologia e promoção da saúde”, publicado este ano na Revista Brasileira em Promoção da Saúde, Thaisa Navolar, Silvia Rigon e Jane Maria Philippi mostram como a agricultura ecológica ou sustentável tem importante papel nesse processo.

A pesquisa mostra que, a partir da década de 60, o país estimulou a utilização de sementes híbridas selecionadas, fertilizantes químicos, agrotóxicos, drogas veterinárias e maquinário pesado na agricultura com a justificativa de que eram necessários para garantir um aumento na produção de alimentos e, consequentemente, para o combate à fome. Mas, as autoras contestam que, apesar de tal modelo ter registrado um aumento relativo da produção de alimentos, o problema da fome não foi solucionado.

“Fato que comprovou que tal problemática não se deve a uma produção insuficiente de alimentos e sim à má distribuição de renda e à desigualdade social, que impedem o acesso a uma alimentação adequada e saudável para todos”, dizem no artigo.

Além de não ter acabado com a fome, a prática dessa agricultura trouxe efeitos negativos à saúde humana e ao ambiente. “Diversos estudos têm revelado os problemas de saúde causados pela utilização dos agroquímicos, sobretudo para os agricultores”, explicam. Além do impacto sobre a saúde humana, a pesquisa mostra que o uso de agroquímicos traz graves danos ao meio ambiente, como a contaminação de sistemas hídricos superficiais e subterrâneos.

Para reverter os impactos econômicos e ambientais da agricultura industrial, surgiu então, nas décadas de 70 e 80, a agroecologia. “A agroecologia apresenta o potencial para fazer florescer novos estilos de agricultura e processos de desenvolvimento rural sustentáveis que garantam a máxima preservação ambiental, enfatizando princípios éticos de solidariedade”, explicam no texto.

A sustentabilidade é, de acordo com as pesquisadoras, a ideia central da agroecologia, na qual mediante estratégias produtivas de uso da terra é possível conquistar a autossuficiência alimentar de determinadas comunidades.

Elas explicam que a prática da agricultura ecológica possibilitou a construção de condições materiais e imateriais para mudanças positivas na vida das famílias rurais entrevistadas, sobretudo relativas à situação alimentar e de saúde, além de ter contribuído para uma melhora na situação econômica dos agricultores em função da comercialização dos alimentos produzidos.

“Tais desdobramentos e a valorização do trabalho que passa a ser realizado pelas famílias ecologistas abrem perspectivas positivas de permanência no campo, reduzindo assim as chances do êxodo rural. Por outro lado, a produção de alimentos mais saudáveis contribui para a segurança alimentar e nutricional dos consumidores urbanos e também dos camponeses”, dizem.

Deixe seu Comentário

Leia Também

COVID 19 NO BRASIL
Brasil registra 19,68 milhões de casos de covid-19 e 549,92 mil mortes
Foto: Mycchel Legnaghi - São Joaquim online PREVISÃO DO TEMPO
Maior frio do ano? Temperaturas negativas, geada e até neve!
TRABALHO ESCRAVO
Aliciamento de crianças: família de líderes religiosos é presa em operação da polícia
ATO OBSCENO
Homem é detido após entrar nu em culto evangélico
TRAIÇÃO
Vídeo: Mulher flagra marido com travesti dentro do carro e 'pancadaria come solta'
COVID 19 NO BRASIL
Brasil tem 1 órfão por covid a cada 5 minutos: 'Pensamos que crianças não são afetadas, mas sim
SELEÇÃO OLIMPICA
Brasil ameaça passeio em estreia contra a Alemanha, mas desperdiça chance de goleada histórica
TRAGÉDIA NO RIO
Barco vira com nove pessoas matando 3 crianças e 3 adultos
REVOLTA
Mulher tem parte do rosto destruído por ataque de pitbull sem coleira; assista
FLAGRA
Vigilante descobre traição e mata amante da esposa com 3 tiros