Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 12 de abril de 2021
Busca
Brasil

Secretaria deve assinar acordo para comprar fardas em MS

27 Out 2004 - 17h02
Representantes do Sebrae e dos Sindicatos das Indústrias de Calçados e Vestuário de Mato Grosso do Sul estiveram na manhã de hoje na Secretaria de Justiça e Segurança Pública propondo a assinatura de um convênio entre o Governo estadual e empresas do Estado para a confecção de fardas e coturnos para a PM (Polícia Militar) e Corpo de Bombeiros.
Conforme a assessoria do Governo, o Sebrae/MS é quem intermediará o funcionamento do programa, dando suporte técnico e operacional para que as empresas possam produzir os fardamentos e calçados.
De acordo com o presidente do sindicato, Moacir de Castro, o convênio irá reduzir os gastos com o vestuário em até 20%. Cerca de 15 empresários estiveram no encontro de hoje. A superintendente de Apoio Administrativo e Operacional, Mara Bethânia Gurgel, representou a Secretaria.Para a próxima semana, está marcada uma reunião para tratar do assunto com o secretário Antônio Braga.
 
 
Campo Grande News

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo
CRISE NA PANDEMIA
Número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz FGV