Menu
SADER_FULL
terça, 26 de maio de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

São Paulo desafia o Necaxa em busca da liderança

21 Mar 2007 - 10h34
O São Paulo tem uma dupla missão nesta quarta-feira, às 22 horas, contra o Necaxa, no México: alcançar a liderança isolada do Grupo 2 da Copa Libertadores da América e ainda tentar ampliar sua invencibilidade para 30 jogos. Com quatro pontos no torneio continental, o time são-paulino está dois pontos atrás justamente do rival mexicano.

O problema é que o Necaxa é um dos poucos times que mantém 100% de aproveitamento na Libertadores. Por isso, jogando na cidade de Aguascalientes, o São Paulo teme ver o fim de sua longa invencibilidade.

“Estamos conscientes que uma hora o São Paulo vai perder. É normal. Anormal é não perder. Se vier, a derrota será encarada com naturalidade”, garantiu o superintendente de futebol do clube, Marco Aurélio Cunha. “É uma marca rara no futebol mundial, pois estamos enfrentando adversários de qualidade.”

O técnico Muricy Ramalho pouco se importa com a invencibilidade, que completará seis meses no próximo sábado. Ele só quer saber de ver seu time vencendo os jogos. Não importa se convencendo ou não. Ainda mais em uma Libertadores.

“Todo time mexicano é sempre muito complicado. Eles têm uma boa estrutura por conta do investimento que é feito no futebol. E no Necaxa não é diferente. É um time com valores argentinos, brasileiros e bons mexicanos. Uma equipe velocista”, avaliou Muricy, que conhece muito sobre o futebol do México, por ter jogado e treinado o Puebla, time que está hoje na segunda divisão do país.

Apesar das dificuldades previstas, o São Paulo terá força máxima para encarar o Necaxa. O volante Josué, que foi poupado do jogo contra a Ponte Preta, sábado, pelo Paulistão, está confirmado no time. E na defesa, o zagueiro André Dias, recuperado de lesão muscular, retorna.

Duelo brasileiro

Mais do que disparar na liderança do Grupo 5 da Libertadores, o Flamengo quer vencer o Paraná nesta quarta-feira, no Maracanã, para começar a reverter um incômodo retrospecto diante do adversário. Ao todo, as duas equipes já se enfrentaram sete vezes no Maracanã, com cinco vitórias da equipe paranaense e apenas uma do rubro-negro carioca.

Se vencer e houver empate no outro jogo do grupo, entre Real Potosí e Maracaibo, o Flamengo deixará o Maracanã com vaga assegurada nas oitavas-de-final da Libertadores.

“Eu tenho dito aos jogadores que não podemos perder essa chance de vencer atuando na nossa casa, com a nossa torcida. Estamos começando a quebrar um pouco esse retrospecto ruim que tínhamos contra o Paraná. Vencemos três vezes seguidas em Curitiba, uma com o time reserva. Agora precisamos ganhar as partidas no Maracanã”, disse o técnico Ney Franco.

A principal atração do Paraná é o meia Dinelson, que ficou duas semanas sem jogar por causa de uma lesão no tornozelo direito e não atuou na semana passada.

O técnico Zetti também será obrigado a alterar o setor defensivo, por causa da expulsão de Neguette e da ausência de João Vítor, que teve o braço quebrado depois de um chute do flamenguista Souza. Volta o esquema com apenas dois zagueiros: Daniel Marques e João Paulo. No meio-de-campo, a dúvida fica entre Goiano e Gerson.

 

 

Estadão

Deixe seu Comentário

Leia Também

INACREDITÁVEL
Cadeirante mudo assalta joalheria com arma nos pés; assista ao vídeo
BRASIL - 22.666 MORTES
Brasil tem mais 653 mortes, e vítimas da covid-19 no país chegam a 22.6
EMOCIONANTE - VIDEO
Esposo toca sanfona para esposa no hospital após ela receber alta de covid-19
ELEIÇÕES 2020?
Talvez seja inevitável adiar eleições municipais, diz Barroso
BRASIL 22.165 MORTES
Covid 19: Brasil tem mais de 22 mortes e 341 mil casos
FEMINICÍDIO
Homem mata a própria companheira por causa do auxílio emergencial
ESTRAGOS DO MORO
Veja os principais pontos da reunião ministerial que teve gravação divulgada pelo STF
ENEM
Enem 2020 é adiado por causa da Covid
SOB INVESTIGAÇÃO
Delegado diz que namorada viu mensagens no celular atirou nele e se matou
VITIMA DA COVID 19
Edivaldo perdeu o filho de 26 anos: 'Falaram que em 15 dias ele já estaria recuperado'