Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 4 de junho de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Roberto Jefferson se emociona com discurso de Collor

16 Mar 2007 - 15h05

O presidente do PTB, deputado cassado Roberto Jefferson (RJ), acompanhou hoje do plenário do Senado Federal o longo discurso do ex-presidente Fernando Collor de Mello sobre o processo de impeachment. Jefferson liderou a chamada "tropa de choque" do ex-presidente e foi um dos poucos parlamentares a declarar publicamente o seu voto contrário à cassação de Collor.

Emocionado, Jefferson chegou às lágrimas em partes do discurso. Na opinião do ex-deputado, Collor conseguiu resgatar o episódio do impeachment sem mágoas ou acusações. "Não há ressentimento no tom nem nas suas palavras. Ele quer enterrar um capítulo triste de sua vida e crescer com serenidade", afirmou.

Jefferson perdeu o mandato em setembro de 2005, depois de denunciar a existência do esquema do mensalão. O ex-deputado foi acusado pelo Conselho de Ética da Câmara de quebrar o decoro parlamentar ao fazer acusações sem provas e ao admitir a prática de crimes como o tráfico de influências em empresas estatais.

Ele disse não ter ressentimentos dos que foram responsáveis pela sua cassação. "Passado é passado, você não pode viver com olhos nas costas. A lição que eu recolho [de Collor] é construir sem ressentimentos", disse.

Elogios – O desabafo de Collor sobre o impeachment já dura quase três horas no plenário do Senado. O ex-presidente lê um discurso de 99 páginas para apresentar sua versão sobre o processo que resultou na perda de seus direitos políticos. Diversos senadores interromperam o discurso do ex-presidente para elogiar sua postura de enfrentar as críticas quase 15 anos depois de ser afastado da Presidência da República.

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), disse que a Casa deve respeitar o ex-presidente independentemente de seu histórico político. "É a versão de quem viveu como protagonista de um episódio delicado. Ele caiu seja por acusações graves seja porque não fez tudo o que estava ao seu alcance para se defender", disse.

O senador Garibaldi Alves (PMDB-RN) disse que Collor tentou, no longo discurso, mostrar que existiu uma "armação" para a perda de seus direitos políticos. "Eu não vou colaborar para esse julgamento. Mas reconheço que o Supremo Tribunal Federal o absolveu e o povo de Alagoas lhe mandou para cá. Tenho a expectativa de que o Brasil possa não ver repetidos aqueles acontecimentos", disse o senador.

Em diversos trechos do discurso, Collor alegou inocência e se disse injustiçado com a perda do mandato. "Declaro a minha absoluta inocência ante as imputações que, ao longo de todo o processo, me foram feitas, sem consistência, sem comprovação e sem nenhum fundamento. Fui afastado na suposição --e tão somente na suposição-- de que as acusações que me fizeram fossem verdadeiras', afirmou. O senador usou palavras como "arbítrio", "prepotência", "grande farsa" e "falsidade" para se referir ao episódio do impeachment.

Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

LUTA PELA VIDA
Cantora gospel que morreu por coronavírus, fez vaquinha para pagar tratamento
ELEIÇÕES 2020
Vai ter eleição, TSE autoriza convenções partidárias virtuais para eleição deste ano
BOA NOTICIA
Auxílio emergencial deve ser estendido em mais duas parcelas de R$ 300
TRAGEDIA
Empregada vai passear com cachorro, deixa filho com patroa e menino morre ao cair de prédio
FUTEBOL
Clubes de futebol brasileiros se unem contra homofobia
ASSUSTADOR E REAL NO BRASIL
Com uma morte por minuto, Brasil registra 1.349 mortes por coronavírus nas últimas 24h, novo recorde
JULGAMENTO
TSE julga se cassa Bolsonaro e vice a partir de terça
AUXILIO DOENÇA
Como pedir concessão e prorrogação do auxílio-doença durante pandemia
1º CASO NO BRASIL
Paciente recuperada de coronavírus no Piauí volta a ter teste positivo
VITIMAS DA COVID 19
Mãe, avó e irmão de jovem morrem por covid-19: 'essa doença é horrível'