Menu
SADER_FULL
terça, 13 de abril de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Brasil

Risco Brasil e petróleo pressionam e dólar fecha em alta

25 Out 2004 - 16h00
O dólar encerrou em alta de 0,45 por cento nesta segunda-feira, vendido a 2,884 reais, pressionado pela subida do risco-país e pelas preocupações com o alto preço do petróleo.

Segundo analistas, apesar do pequeno declínio no preço do petróleo nesta sessão, ele permanece elevado e traz as preocupações sobre um possível desaquecimento global.

Após atingir recorde de 55,67 dólares o barril durante a negociação eletrônica pela manhã, o petróleo para dezembro em Nova York encerrou em queda de 0,63 dólar, negociado a 54,54 dólares o barril.

"O mercado entendeu que há os soluços e depois ele cai por ajuste, isso não muda a visão do mercado de que o petróelo está estressado", explicou Jorge Knauer, gerente de câmbio do Banco Prósper, no Rio de Janeiro.

A preocupação com o petróleo abateu o mercado acionário externo e o mercado de dívida, e o efeito dessa piora refletiu no mau humor do câmbio, disse o analista. Na maior cotação do dia, o dólar chegou a 2,890 reais.

O risco Brasil, medido pelo banco JP Morgan, superou 500 pontos-básicos acima dos títulos do Tesouro norte-americano na sessão --maior patamar desde setembro. A queda foi motivada pela maior procura por Treasuries devido às preocupações do impacto do petróleo nos mercados emergentes, disseram analistas.

"A alta do câmbio é reflexo do cenário internacional já que o cenário interno não é dos piores", concluiu Knauer, destacando também o declínio das bolsas de valores européias.

Para Tarcísio Rodrigues, gerente de câmbio do Banco Paulista, a desvalorização do real também demonstra as expectativas em torno da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central, quando a taxa básica de juro subiu para 16,75 por cento.

"O dólar subiu muito em cima da expectativa da ata do Copom. O mercado está preocupado em ver até que ponto o Banco Central vai agir de forma independente", afirmou o analista.

O gerente destacou ainda que o volume mais equilibrado no fluxo de negócios permitiu que a divisa norte-americana sofresse mais pressão.

 

Reuters

Deixe seu Comentário

Leia Também

EXEMPLAR
Cidade modelo que vacinou 64% da população vê casos de covid-19 caírem 78%.
NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo