Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 27 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Rio Paraguai avança e deixa ribeirinhos ilhados na região de Corumbá

30 Mar 2011 - 13h53Por Diário Online

Com o nível do rio Paraguai praticamente 1 metro acima do esperado para a época - segundo números da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM) - e a cheia avançando no Pantanal, os primeiros prejuízos sociais começam a aparecer. Na região do Porto Morrinho - distante cerca de 70 quilômetros da área urbana de Corumbá - grande parte da população ribeirinha teve as casas invadidas pelas águas. A maioria foi obrigada a deixar os imóveis.

A situação é bastante difícil para as famílias ribeirinhas. Muitas delas contaram com o apoio de uma empresária de uma pousada daquela localidade, que garantiu estadia até que o nível das águas baixe para que possam retornar às casas, construídas às margens do rio Paraguai. Outras buscaram a casa de parentes, na área urbana de Corumbá. Há ainda os que passam por uma situação que pode ser considerada dramática - para dizer o mínimo - e sem ter para onde ir, buscaram refúgio no prédio abandonado de um antigo hotel.

Além de desabrigar e desalojar os ribeirinhos, a cheia, que segundo eles "veio rápida", trouxe também prejuízos financeiros para aquelas famílias. Habituados a complementar a renda - proveniente em sua maioria da atividade pesqueira - com a venda de frutas e legumes que cultivam nos quintais de casa, agora, plantações de mandioca; limão e caju, por exemplo, estão embaixo d'água. A própria pesca está "difícil", argumentam.

Pescador profissional, Braz Alves disse a este Diário que, ao longo da vida, enfrentou as principais cheias do Pantanal no último século e não se lembra de ter visto nada como a enchente deste ano. "Passei por todas essas cheias de 1974; 1988 e 1995, mas foram diferentes dessa de agora, elas não foram tão rápidas. Nas outras se perdeu muito porque não acreditavam que ela [a cheia] viria porque foi devagar. Agora essa foi de uma vez só e chegou numa semana, afundou tudo", afirmou o pescador.

Morador no Porto Morrinho desde 1992, Braz contou que nunca passou por uma situação a que vive atualmente. A água do rio Paraguai está a poucos centímetros de entrar em sua casa e tudo o que planta já se perdeu. "Já vi muita enchente no Pantanal, mas rápida como essa não. Veio de repente e tomando tudo, nunca vi uma coisa dessas. A água ainda não entrou em casa, mas está bem perto. Planto mandioca; manga; caju e perdi tudo. O que eu precisava agora era de um lugar para sair e voltar assim que essa água toda passar, porque está muito difícil", afirmou.

A cena se repete ao longo da margem esquerda do rio. A casa de Antônia Pedrosa da Silva está com água batendo na porta e para circular fora do imóvel só usando canoa, guiada pelo jovem Antônio, de 8 anos. O quintal da casa praticamente se uniu ao rio e peixes cruzando o terreno já pode ser considerado normal. Dentro de casa oito pessoas, entre adultos e crianças. "A água veio rápido e não deu tempo de nada. Plantamos mandioca; melancia e abóbora e a gente perdeu tudo. Estamos lutando. Precisamos de uns remédios; água pra beber e mantimentos", contou. Ela disse que as crianças seguem estudando e para ir à escola, diariamente, atravessam o rio de barco para o Porto Morrinho e, dali, pegam o ônibus escolar.

Mais a frente o cenário é semelhante. Jeanine Santiago dos Santos, que mora com o marido e os dois filhos levantou os móveis que tem em casa para evitar maiores perdas. A água a deixou praticamente ilhada. Chegar até onde ela mora, só de barco ou canoa a remo. "De repente começou a subir água e não deu tempo de salvar nada. Aqui dentro levantamos tudo o que a gente podia. Ainda não entrou muita água, mas está subindo", disse ela ao lado do filho mais novo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHOS INTERROMPIDOS
Pais perdem filho de 7 anos em tragédia na BR-376: "Passaram o dia montando a casa para receber ele"
AUXILIO POPULAÇÃO
Governo federal aprova auxílio emergencial para 196 mil pessoas
UTI LOTADAS
13 crianças com covid estão em estado grave em Cuiabá
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Mãe descobre estupro ao desconfiar que filha de 12 anos tinha ciúmes do padrasto
VIRUS A SOLTA
Caixão com corpo que tinha identificação de risco biológico por Covid é achado em estrada
TRAGEDIA NA RODOVIA
Jovem fez vídeo antes de morrer em acidente no Paraná: 'Devagar, motora'
FATALIDADE
Padre cai de pedra em cachoeira e corpo é encontrado em poço
GANGUE DO TIJOLO
Menores entre 13 e 17 anos formam bando e fazem 'arrastão'; veja vídeo
LUZ DO DIA
Empresário é executado com três tiros dentro de carro
SELFIE DA MORTE
Professora tenta tirar selfie e morre afogada ao cair no mar