Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 12 de agosto de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Revisão de aposentadorias por invalidez começa em julho

14 Mar 2007 - 04h52
A Previdência Social marcou para julho o início da revisão das aposentadorias por invalidez concedidas pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). A expectativa do INSS é convocar 2,2 milhões de aposentados por invalidez de um universo total de cerca de 2,8 milhões. O processo todo deverá durar um ano e meio e quem for considerado apto para o trabalho poderá perder o benefício.

A revisão desse tipo de aposentadoria havia sido anunciada no final do ano passado pelo ministro da Previdência, Nelson Machado, como mais uma medida de gestão das contas previdenciárias. Os alvos são os segurados que recebem o benefício há mais de dois anos.

A convocação será feita em duas etapas, priorizando os que estão aposentados entre dois e cinco anos. Depois serão chamados os que recebem há mais de cinco anos. Dentro desses dois grupos, primeiro serão avaliados os mais jovens e depois os mais idosos.

O presidente do INSS, Valdir Simão, disse que ainda não foram definidos os detalhes sobre a forma de convocação dos segurados, mas garantiu que o INSS vai tentar evitar filas marcando dia e horário para a perícia. Ele afirmou que não há uma estimativa da economia que poderá ser obtida com a revisão, apesar de admitir que espera uma redução de pagamentos desses benefícios.

Simão disse que quem estiver recuperado e ainda estiver contratado perderá o benefício imediatamente. Mas haverá um prazo de transição - variável de acordo com o tempo de recebimento - para o fim dos pagamentos dos benefícios àquelas pessoas que forem consideradas aptas a voltar ao mercado de trabalho, mas já tiverem perdido o vínculo com seu último emprego.

"Nesse período será importante o programa de reabilitação profissional, em que as pessoas poderão aprender um novo ofício", comentou. Segundo Simão, o governo espera que as empresas façam a reabilitação profissional das pessoas que vierem a ter o benefício cessado.

A reabilitação profissional será importante para recolocar as pessoas no mercado de trabalho. "E ninguém melhor do que as empresas para conduzir a reabilitação por que são elas que sabem quais profissionais estão precisando", comentou.

O INSS pretende fazer convênios e parcerias com as empresas para que elas implantem os programas de reabilitação e contratem os reabilitados no âmbito da obrigação da legislação trabalhista de admitir deficientes ou reabilitados na proporção de 2% a 5% do seu quadro de pessoal.

Essa será a primeira revisão do INSS nas aposentadorias pagas por incapacidade após quatorze anos. Nesse período, segundo Simão,o INSS deixou de cumprir a obrigação de fazer a revisão a cada dois anos após a concessão do benefício devido ao modelo de perícia terceirizada que adotou.

Com a contratação de novos peritos para o quadro fixo da Previdência, a partir de 2003, foi possível retomar as revisões. "Agora temos condições de gerir melhor os gastos com benefícios por incapacidade", afirmou.

 

 

Estadão

Deixe seu Comentário

Leia Também

FÁTIMA DO SUL - VAMOS ADOTAR UM PET
Oi eu sou a Maya!, você não quer me adotar?, veja como fazer a adoção pela ONG em Fátima do Sul
FATALIDADE
Adolescente morre após encostar em carregador que estava na tomada
BORA PRA BONITO - MS
Os 10 melhores passeios em Bonito, Mato Grosso do Sul
COVID-19
Em sessão remota, Eduardo Rocha pede um minuto de silêncio pelas mais de 100 mil mortes por covid-19
AUXILIO EMERGENCIAL
Caixa paga auxílio emergencial a nascidos em julho nesta quarta-feira
HORÓSCOPO DO DIA
Horóscopo desta quarta-feira 12 de agosto de 2020
DEU RUIM - OZONIOTERAPIA
COVID: Deputada que apoia aplicação de ozônio no combate ao coronavírus é internada com covid-19
VÍTIMA CORONAVÍRUS
CORONAVÍRUS: Médica de 29 anos perde a vida para a covid-19 após ficar quase 30 dias da UTI
BRASIL - 102.034 MORTES
Brasil confirmou 102.034 mortes e contabiliza 3.068.138 infectados pela Covid-19.
SAÚDE
CLOROQUINA: Pacientes reumáticos que fazem uso de cloroquina não estão imunes ao coronavírus