Menu
SADER_FULL
domingo, 19 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Reserva indígena de Dourados tem 26 casos de Aids

23 Fev 2010 - 10h59Por Dourados Agora
Último levantamento do programa DST/Aids esta semana, mostra que Dourados tem 26 casos confirmados de Aids nas aldeias. A doença atinge homens e mulheres adultos e idosos, além de gestantes. Para a coordenadora do programa, Berenice Souza, os principais desafios para conter a doença vem sendo a resistência ao uso de preservativos, por parte da comunidade, além das barreiras de comunicação causadas pelo idioma e tradição, que ainda resiste ao tratamento médico em algumas situações. Segundo ela, não há casos de óbitos entre pacientes com a doença.
De acordo com o médico coordenador técnico de  equipes multidisciplinares da Fundação Nacional da Saúde (Funasa), Zelik Trajber, a proximidade das aldeias com a cidade, a exemplo dos trabalhadores em usinas, além da promiscuidade e drogas, vem sendo fatores facilitadores da doença. A demora por auxílio médico é entrave. “Em alguns casos, a paciente só descobre a Aids porque teve que passar pelo pré-natal, em que são feitos vários exames”, disse, observando que na maioria dos casos, os pacientes têm vida itinerante. A situação, segundo ele, é tranquila nas aldeias. “Temos poucos casos; alguns esporádicos que acabaram contraindo a doença devido ao modo de vida fora das aldeias”.
Para Zelik, assim como nas comunidades não-indígenas,  a falta de conscientização estimula o surgimento da doença nas aldeias. Apesar disso, segundo ele, a resistência ao tratamento médico vem diminuindo. Há pouco tempo, segundo o médico, o costume de se levar o paciente apenas para os caciques rezadores era predominante. “Antes, era uma luta convencer o paciente a tomar uma vacina para prevenção ou tratamento de doenças. Hoje há maior facilidade nestes trabalhos”, disse.



CAMPANHA




Em parceria com a Funasa, o programa DST/Aids realiza a partir de março a campanha “Fique Sabendo”, com palestras, coletas de sangue e conscientização sobre as doenças sexualmente transmissíveis na aldeia Bororó.
De acordo com a coordenadora Berenice, a ação tem o objetivo de tirar as dúvidas dos indígenas com relação às doenças, promovendo um trabalho de conscientização e orientando sobre os meios de prevenção.
Ela destaca a importância dessa parceria com o município, lembrando que muitos indígenas adquirem as doenças por falta de informação. “Serão feitas testagens, coleta de sangue, diagnósticos e tratamento”, frisa a profissional. Além das orientações através das palestras, serão distribuídos panfletos e preservativos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TSUNAMI NO BRASIL?
Brasil pode ser atingido por tsunami; entenda
SERPENTE
Rapaz de 18 anos é atacado por jararaca durante pescaria
TRIBUNAL DO CRIME
Traficantes enterram mulher viva para vingar denúncia
TEMPESTADE
Temporal derruba árvore sobre carros e deixa bairros no escuro
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: ministério registra 34,4 mil casos e 643 mortes em 24 horas
COMOÇÃO E REVOLTA
Menina de 5 anos é morta com tiro na cabeça enquanto caminhava para comprar lanche
CEF de Fátima do Sul OPORTUNIDADE
Caixa abre concurso com salários de mais de R$ 3 mil; confira
QUASE 600 MIL MORTES
Covid-19: mortes sobem para 588,5 mil e casos, para 21,03 milhões
LIÇÕES DA BÍBLIA
Uma rua de mão dupla
LATROCINIO
Dupla invade casa, tranca mulher e crianças em quarto e mata homem degolado