Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 29 de julho de 2021
Busca
Brasil

Renda não acompanha o crescimento do crédito

16 Ago 2010 - 13h50Por Fátima News com assessoria

Banco Central divulga previsão de crescimento de 10 a 11% de crédito, tendo aumento de 24,5% somente no pessoal (até maio deste ano). O saldo de crédito concedido é de R$ 183, 133 bilhões em maio, ante R$  178,706 bilhões em abril de 2010. No entanto, o consultor de negócios do Sicredi, Jefferson Limonge, alerta para o fato de a renda do trabalhador não acompanhar o movimento e manter-se instável.

“Todo este movimento é  absolutamente salutar, indicando um excedente de liquidez no mercado  financeiro, que conseqüentemente disponibiliza crédito, estimula a  atividade industrial, o consumo interno, advindo de uma fartura  agressiva em propaganda de estímulos ao consumo das famílias”, explica o consultor de negócios.

Recentemente, o Governo fez uma programação de incremento no compulsório dos bancos, no qual ainda segundo Limonge, haverá uma diminuição gradual da oferta de dinheiro no 
mercado, mantendo então o controle inflacionário: “O importante é fazer com que as  pessoas tenham um incremento na renda e que parte desta seja  voltada a poupança. É necessário que as pessoas possuam um programa  orçamentário que controle seus gastos e investimentos, além de  programar suas reservas financeiras”.

Segundo o economista Fernando Abrahão, o acesso ao crédito é uma forma de injetar a moeda no mercado e estimular o consumo, principalmente no setor varejista, que deve ser ponderado; caso contrário, resulta na inadimplência, fato já preocupante. Ele ainda comenta que, apesar do aumento da Selic, as financeiras devem apresentar bons resultados, pois aumentos crescentes e graduais não são sentidos de imediato pelo consumidor.

Contudo, índice da Serasa Experian, empresa especializada na análise de crédito, divulga que a expectativa para a inadimplência do consumidor aumentou 0,3%. E a pesquisa também mostra expectativa de recuo na taxa de inadimplência das empresas na segunda metade do ano, que caiu 1,4% em maio, pelo 13º mês consecutivo.

Além de evitar a inadimplência, os consumidores necessitam refletir a possibilidade de armazenar reservas. “Certamente num futuro próximo, o País pode sofrer com a  falta de poupança das famílias, fazendo com que  certos orçamentos ou rubricas governamentais para determinados  programas possam ser comprometidos”, argumenta Jefferson Limonge.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CRISE HÍDRICA
Novas fontes preparam MS para a crise hídrica, ressalta governador
ABAIXO DE ZERO
Com -8,6°C, SC registra a menor temperatura do Brasil em 2021, diz Inmet
COVID-19
Em dia de aumento de casos Brasil tem 1.333 óbitos por Covid - 19 nas últimas 24 horas
CONCURSO PÚBLICO
Caixa Econômica convocará 9 mil de concursos e abre mais mil vagas
BRASIL - 550.502 MORTES
Covid-19: país ultrapassa 550 mil mortes e tem 19,7 milhões de casos
COVID 19 NO BRASIL
Brasil registra 19,68 milhões de casos de covid-19 e 549,92 mil mortes
Foto: Mycchel Legnaghi - São Joaquim online PREVISÃO DO TEMPO
Maior frio do ano? Temperaturas negativas, geada e até neve!
TRABALHO ESCRAVO
Aliciamento de crianças: família de líderes religiosos é presa em operação da polícia
ATO OBSCENO
Homem é detido após entrar nu em culto evangélico
TRAIÇÃO
Vídeo: Mulher flagra marido com travesti dentro do carro e 'pancadaria come solta'