Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 16 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Renda de analfabetos e negros foi a que mais cresceu na última década

4 Mai 2011 - 16h35Por Agência Brasil

A renda dos analfabetos do Brasil cresceu 47% entre 2000 e 2009, segundo a pesquisa Desigualdade de Renda na Década, divulgada nesta terça-feira (3) pela Fundação Getúlio Vargas.

Entre as pessoas com ensino superior incompleto, no entanto, a renda teve uma queda de 17%.

O estudo mostra também que a renda dos negros cresceu duas vezes mais do que a dos brancos, nos últimos 10 anos.

No primeiro grupo, a renda ficou 43% maior e, no segundo, o crescimento foi de 21%. A renda das pessoas pardas cresceu 48%.

Os estados do Nordeste foram os que mais cresceram em termos de renda per capita (por pessoa).

O coordenador da pesquisa, Marcelo Neri, atribuiu os resultados à redução da desigualdade no País na última década, que caiu em mais de 50%. Em 2010, a desigualdade ficou 16% menor.

“A desigualdade no Brasil está no seu mínimo histórico, a um nível menor que na década anterior, a de 60.

Ainda é um nível inaceitavelmente alto. Agora, a desigualdade no Brasil pode continuar caindo e os pobres poderão viver um crescimento chinês ainda por algum tempo, apesar da economia não apresentar uma dinâmica de crescimento tão forte”.

Papel da educação e de programas sociais

No Maranhão, o estado mais pobre apontado na pesquisa, a renda cresceu 46%, enquanto em São Paulo, o estado mais rico, o crescimento foi de 7%.

Neri explicou que, com exceção do aumento da renda entre analfabetos, o efeito educação e de programas sociais foram as principais contribuições para a redução da pobreza na maioria dos casos.

“A renda dos 20% mais pobres em idade ativa teria crescido 55% só pelo efeito educação. Então, este é disparado o principal efeito, seguido de programas sociais”.

Segundo a pesquisa, a renda das mulheres em idade ativa cresceu 38% no período estudado enquanto o crescimento da renda dos homens foi de 16%.

Os efeitos esforço de trabalho e contribuição de programas do governo foram os fatores identificados para esse crescimento.

“As mulheres estão mais presentes no trabalho e trabalhando mais horas e esse crescimento se reflete no aumento da renda.

Mas auxílios como o Bolsa Família para as mulheres também contribuíram um pouco para esse resultado”, esclareceu o economista.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAIU O EDITAL
Com salário de até R$ 23,6 mil, Polícia Federal abre inscrição em concurso no dia 22
DESESPERO EM MANAUS
Médicos e familiares de pacientes descrevem colapso com falta de oxigênio em Manaus; leia relatos
AUXILIO POPULAÇÃO
Caixa libera saque da última parcela do auxílio emergencial a aniversariantes em julho
HORROR NA NOITE
Crianças são encontradas chorando ao lado de corpos de pais assassinados
DOR E DESCASO
Filho é obrigado abrir cova para enterrar próprio pai por não encontrar coveiro em cemitério
SEUS DIREITOS
Trabalhador afastado por Covid-19 tem direito a auxílio-doença do INSS
COM DESCONTOS
Veja as opções de pagamento do IPVA com desconto
CASA PRÓPRIA
Casa Verde e Amarela substitui Minha Casa Minha Vida com opção para renegociar dívidas e menos juros
FINALISTA LIBERTADORES
Santos atropela Boca Jr e terá o Palmeiras numa final Brasileira
TRAGÉDIA NA PONTE
Motorista morre após caminhão cair de ponte