Menu
SADER_FULL
sábado, 18 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Reajuste dos bancários injetará cerca de 7 mi em Dourados e Região

22 Out 2009 - 17h29Por Fátima News, com Assessoria

O anúncio, no final da greve dos bancários em Dourados, soou como um alivio pra muita gente que buscava resolver questões financeiras. O resultado dessa greve, no entanto, é que, trará um impacto grande na economia da cidade e região. O reajuste de 6%, a nova regra para a PLR adicional e o abono de R$ 700, 00 reais na Caixa Econômica prevê uma distribuição de renda e um estimulo no consumo de produtos e serviços.

 

 

Conforme dados apurados pelo Sindicato dos Bancários que tem cerca de 800 bancários na sua base sindical, o montante a ser injetado no comercio da região chegará a cerca de R$ 7.000.000,00. Deste, só na cidade de Dourados, que conta com 450 bancários, será injetado cerca de R$ 3.907.000,00(Três milhões novecentos mil reais), o resultado foi feito com calculo mínimo, podendo esse valor chegar a 4 milhões, vale lembrar que.nesse calculo não está incluindo ainda o 13º salário.

 

 

O aumento servirá ainda de referência para outras categorias e é uma forma de dinamizar a economia principalmente neste momento, uma vez que a categoria investirá esse dinheiro na própria economia, comprando itens de consumo nas cidades ajudando com isso no crescimento do Estado.

 

 

A greve é um instrumento legal de lutas, mesmo assim, ela é utilizada só depois de esgotadas todas as possibilidades de negociações. A categoria bancária vem a muito  tempo sofrendo perdas, principalmente na redução de postos de trabalhos, demissões e outros itens. “Quando o bancário se propõe a lutar por novas conquistas ele não olha somente para o seu bolso, ou para interesses particulares e isso não é compreendido por muitas pessoas”, informa o presidente da entidade Joacir Rodrigues.

 

 

A greve tornou-se nos últimos anos uma batalha jurídica, já que somos interpelados pelos bancos na Justiça do Trabalho, principalmente pelo Itaú e Bradesco, que procuram nos impor limite de lutas, através de Interditos, ao invés de respeitar seus trabalhadores, clientes e usuários. Mas o objetivo é de garantir os nossos direitos e a “briga” direta é com os banqueiros. Além de reivindicar, temos que enfrentar os ataques que os banqueiros impõem a sociedade, clientes e usuários, que pagam tarifas exorbitantes e altos juros, nem sempre contando com o atendimento que merecem, pela falta de funcionário nas agências. Para o presidente do Sindicato dos Bancários, “um exemplo claro dessas conquistas, que refletirá diretamente no melhor atendimento à população, foi o compromisso do Banco do Brasil de contratar mais 10.000 bancários e da Caixa Econômica na contratação de mais 5.000, fruto da luta da categoria nessa greve que durou 28 dias na Caixa e 15 nos demais bancos, exemplo que deveria ser seguido pelos bancos particulares se esses tivessem alguma responsabilidade social”, finaliza Joacir Rodrigues.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRIBUNAL DO CRIME
Traficantes enterram mulher viva para vingar denúncia
TEMPESTADE
Temporal derruba árvore sobre carros e deixa bairros no escuro
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: ministério registra 34,4 mil casos e 643 mortes em 24 horas
COMOÇÃO E REVOLTA
Menina de 5 anos é morta com tiro na cabeça enquanto caminhava para comprar lanche
CEF de Fátima do Sul OPORTUNIDADE
Caixa abre concurso com salários de mais de R$ 3 mil; confira
QUASE 600 MIL MORTES
Covid-19: mortes sobem para 588,5 mil e casos, para 21,03 milhões
LIÇÕES DA BÍBLIA
Uma rua de mão dupla
LATROCINIO
Dupla invade casa, tranca mulher e crianças em quarto e mata homem degolado
SAQUE EMERGENCIAL
Caixa cria calendário para liberar nova rodada de dinheiro do FGTS
TRAGEDIA AÉREA
Acidente aéreo mata sócio da Raizen e outras seis pessoas