Menu
SADER_FULL
sábado, 23 de outubro de 2021
Busca
Brasil

Ramez morre aos 70 anos em decorrência de câncer

18 Nov 2006 - 06h59

Depois de mais de 20 anos de luta contra um inimigo invisível, o senador Ramez Tebet (PMDB), 70 anos, foi vencido hoje, às 23h23, pelo câncer. Ele estava em casa acompanhado da esposa, Fairte Nassar Tebet e dos filhos Simone, prefeita de Três Lagoas, Eduarda, Rames e Rodrigo. Há uma semana, os médicos que cuidavam do senador haviam interrompido a medicação, que estava lhe provocando reações alérgicas. Ramez faleceu devido a complicações do quadro clínico em decorrência do câncer no fígado. Na década de 80, a doença já havia atingido um dos rins do senador. Posteriormente, se manifestou na bexiga e no fígado.

O corpo do senador será velado das 2h às 9h da manhã na Assembléia Legislativa e em seguida será levado para Três Lagoas, onde os amigos do senador vão prestar condolencias à família de Ramez a partir das 11h, no ginásio municipal de esportes. O sepultamento do corpo do senador será às 18h no cemitério municipal de Três Lagoas.

História - Conhecido pelos colegas parlamentares como um senador “linha dura”, ferrenho opositor do Governo Lula, criticava a aproximação da ala lulista do PMDB do PT e a troca de apoio por cargos no governo federal. Defendia uma relação institucional com o Planalto e o apoio a projetos de interesse do país. A assiduidade e a atuação do senador no Congresso foram reconhecidas pelo DIAP (Departamento Inter-Sindical de Acompanhamento Parlamentar), que o listou entre as cem mais importantes lideranças políticas do Congresso Nacional.

A agressividade na tribuna, dos discursos inflamados, dava lugar ao “pacificador” nos bastidores políticos e a um homem de hábitos simples no ambiente doméstico, que não abria mão de garapa e água de coco, e que era “bom de garfo”, segundo a família. Era filho do libanês Taufic Tebet, que veio para o Brasil com os irmãos em 1927, e que se estabeleceu em Bauru (SP) e posteriormente em Três Lagoas, onde abriu a Casa Violeta de Secos e Molhados. Foi na cidade que conheceu a libanesa Angelina Jaime, com quem teve quatro filhos. Ramez, o segundo mais velho, formou-se em Direito e foi promotor público e professor universitário, antes de se dedicar à vida pública. “Ser político é ser doador, é ajudar o próximo. Temos o dever de ajudar aquele que é o irmão”, dizia, ao definir o próprio ofício.

Em 40 anos de atuação no Executivo e Legislativo, foi prefeito (convocado) de Três Lagoas (1975-1978); secretário estadual de Justiça (1978) e deputado estadual (1979-1982), período em que relatou o projeto de lei que deu origem à primeira Constituição Estadual. Foi vice-governador no primeiro mandato de Wilson Barbosa Martins (PMDB), de 1982 a 1986, assumindo o Governo do Estado em março de 1986 – quando Martins se afastou do cargo para concorrer ao Senado Federal. Ramez permaneceu no comando do Executivo até 1987. Foi ainda superintendente da Sudeco (Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste), entre 1987 e 1989.

Em 1995, foi eleito para o primeiro dos dois mandatos no Senado Federal (1995-2003 e 2003-2011). Seis anos depois (2001), assumiu o comando do Ministério da Integração Nacional, na gestão do então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), cargo do qual pediu demissão para concorrer à Presidência do Senado. Foi eleito e permaneceu à frente do Senado e do Congresso Nacional entre 2001 e 2003. Além de membro de comissões permanentes da Casa, Ramez presidiu o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar e a Comissão de Assuntos Econômicos, bem como as CPIs (Comissões Parlamentares de Inquérito) do Judiciário e da Mineração.

Projetos - A isenção da taxa para aquisição da primeira carteira de identidade e a tipificação do crime de tortura foram alguns dos projetos apresentados por Ramez no Congresso. Também são propostas dele a alteração da idade para a aposentadoria compulsória do servidor público; a utilização dos recursos do FGTS para custear os estudos dos filhos dos trabalhadores, entre outras. Foi relator da nova Lei de Recuperação de Empresas, que substituiu a antiga Lei de Falências, do projeto Sivan (Sistema de Proteção da Amazônia) e do Orçamento Geral da União.

 

 

Mídia Max

Leia Também

OLIMPÍADA 2024
Atletas de MS terão bolsas de até R$ 7 mil para competir nos jogos olímpicos
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS
ALERTA TEMPORAIS
Chance de Tempestades (La Ninã) no final do ano é de 87%, aponta atualização do NOAA
LIÇÕES DA BÍBLIA
Ele nos amou primeiro