Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 24 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Rainha não descarta ampliar invasões do MST no Pontal do Paranapanema

17 Jan 2011 - 10h50Por Folha Online

Um dia após liderar uma série de invasões no interior paulista, o dirigente sem-terra José Rainha Júnior elogiou iniciativas do governo de São Paulo, mas não descartou ampliar as ações na região do Pontal do Paranapanema, principal foco de conflito agrário no Estado.

Segundo Rainha, grupos ligados ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) e a organizações como Uniterra e MLST (Movimento de Libertação dos Sem-Terra) invadiram 37 fazendas desde a semana passada no interior de SP.

A Folha, no entanto, procurou comandos da Polícia Militar no interior, que confirmaram apenas nove invasões e três acampamentos. O comando da PM no Estado não se pronunciou.

O líder sem-terra chamou a mobilização de "janeiro quente". "E, se precisar, vem mais por aí", afirmou.

Além do Pontal do Paranapanema (extremo oeste do Estado), também foram alvos fazendas na região de Araçatuba (527 km de São Paulo).

Na semana passada, lideranças sem-terra ligadas a José Rainha se reuniram com a secretária estadual da Justiça e da Defesa da Cidadania, Eloísa de Souza Arruda, para discutir uma pauta de reivindicações.

Rainha, que não participou do encontro, disse estar "esperançoso" com o governo de Geraldo Alckmin, do PSDB --partido que tradicionalmente é alvo de críticas dos sem-terra.

"O governo Alckmin está sinalizando para o diálogo. Isso nos dá esperança", disse. O dirigente acusou o antecessor de Alckmin, José Serra (PSDB), de não receber lideranças.
Em carta divulgada após as invasões, o grupo de Rainha afirmou apoiar a presidente Dilma Rousseff, que chamaram de "mulher trabalhadora".

No interior de SP, segundo a PM, não foram registrados confrontos durante as últimas ações dos sem-terra. Os manifestantes dizem que o número de famílias mobilizadas chega a 5.000.

NA JUSTIÇA

Na semana passada, o MST iniciou uma série de protestos na Bahia --quatro prefeituras do interior foram invadidas pelo movimento.

Segundo Rainha, um dos objetivos da série de invasões em São Paulo é reivindicar reforma agrária em um conjunto de áreas na região de Teodoro Sampaio (653 km de SP), que já foram consideradas públicas pelo Superior Tribunal de Justiça.

Para ele, o governo estadual precisa buscar um entendimento com a União para adquirir áreas invadidas e assentar 8.000 famílias, acampadas no interior.

Após o encontro com líderes sem-terra, a secretária Eloísa Arruda disse que destacaria um procurador do Estado apenas para acompanhar processos referentes a terras devolutas (públicas, mas griladas), como forma de acelerar a tramitação.

Ela também disse que se reuniria com lideranças ruralistas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GANGUE DO TIJOLO
Menores entre 13 e 17 anos formam bando e fazem 'arrastão'; veja vídeo
LUZ DO DIA
Empresário é executado com três tiros dentro de carro
SELFIE DA MORTE
Professora tenta tirar selfie e morre afogada ao cair no mar
tratamento precoce prefeito curitiba 100 TRATAMENTO
"Estão no Cemitério", diz prefeito de Curitiba sobre pessoas que usaram tratamento precoce Covid-19
A CASA CAIU
Mulher invade casa e flagra namorado fazendo sexo com outra; veja vídeo
LINHA DE FRENTE
'Ele lutou até o final', diz irmã de médico de 28 anos, após quase um mês morreu de Covid-19
SEU BOLSO
Litro da gasolina sobe R$ 0,15 nas refinarias da Petrobras
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Na calada da noite, namorado da avó estupra criança de 12 anos e é espancado por vizinhos
CONCURSO PÚBLICO
Concurso da Aeronáutica somam com as 21 mil vagas em outros concursos que a semana oferece
DEU RUIM
Jovem é atingido por raio enquanto usava celular no banheiro