Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 16 de agosto de 2022
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Brasil

Quatro prefeituras recebem multas da 2ª Câmara do TCE/MS

11 Ago 2010 - 14h57Por Dourados News

Durante a sessão da 2ª Câmara Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul (TCE/MS), realizada nesta terça-feira (10/08) analisaram 26 processos, sendo 14 prestações de contas consideradas irregulares. Destes, cinco prefeituras do interior receberam 500 Uferms em multas. Destes, o conselheiro substituto Joaquim Martins de Araújo Filho relatou os votos do conselheiro Paulo Roberto Capiberibe Saldanha em quatro processos de prefeituras do interior que tratam de contratos de serviços.

O contrato nº 98/2006, firmado entre a Prefeitura Municipal de Ivinhema e a entidade Mitra Diocesana de Dourados – Paróquia São Paulo Apóstolo refere-se a locação de um imóvel.  O conselheiro votou pela legalidade e regularidade na formalização dos 1° e 2° termos aditivos, mas votou pela ilegalidade e irregularidade da execução do contrato pela falta de documentos como: ordens de pagamento, notas fiscais e notas de anulação de empenho. Em função disso, aplicou multa no valor de 100 UFERMS ao então prefeito, Renato Pieretti Câmara.

Em outro processo, referente ao contrato nº 003/2010, firmado entre a Prefeitura Municipal de Porto Murtinho e a Mitra Diocesana de Jardim – Paróquia Sagrado Coração de Jesus, também para locação de imóvel, o conselheiro considerou ilegal e irregular o procedimento de dispensa de licitação e formalização do contrato. O prefeito Nelson Cintra Ribeiro recebeu multa no valor de 200 UFERMS, sendo 150 UFERMS por ato praticado com grave infração a norma legal e 50 UFERMS pelo não encaminhamento de documentos ao Tribunal.

No contrato nº 1/2007 e seu 1º Termo Aditivo também foram analisados pelo conselheiro Paulo Saldanha. Firmado entre a Prefeitura Municipal de Angélica e a empresa Jaconias Viana Dutra - ME, para aquisição de combustíveis, o conselheiro votou pela ilegalidade e irregularidade na formalização do 1º Termo Aditivo e na sua execução aplicando multa de 100 UFERMS ao prefeito à época, João Donizeti Cassuci.

Finalizando, o contrato n° 5/2008 e seu 1º Termo Aditivo, firmado entre a Prefeitura Municipal de Pedro Gomes e a empresa Mauro Nogueira – ME, também para aquisição de combustíveis, o conselheiro considerou ilegal e irregular a formalização do 1º Termo Aditivo e a sua execução, aplicando multa de 100 UFERMS ao ex-prefeito, Francisco Vanderley Mota.

Leia Também

MORADIA
Projeto cria programa para auxiliar professores na compra de casa própria
CARTÃO DE CRÉDITO
Um em cada três brasileiros foi vítima de fraude com cartão de crédito
ACIDENTE FATAL
Motociclista de 27 anos bate na traseira de trator e morre em vicinal
TRAGEDIA NA RODOVIA
Sete pessoas morrem e três ficam feridas em acidente entre caminhão e van
AUXILIO POPULAÇÃO
Governo libera empréstimo consignado para beneficiários do Auxílio Brasil
TRAGÉDIA
Carro explode durante abastecimento e amputa pernas de frentista
NOITE DE TERROR
Moradores relatam medo vivido em confronto com oito mortos
ACIDENTE DE TRABALHO FATAL
Trabalhador morre soterrado ao fazer limpeza em silo de grãos
AGRESSÃO NA ESCOLA
Mulher invade escola e espanca aluna a pauladas
COVID NO BRASIL
Covid-19: Brasil ultrapassa o número de 680 mil mortos pela doença