Menu
SADER_FULL
sexta, 14 de maio de 2021
Busca
Brasil

Quase 500 mil limpam o nome até a segunda dezena de agosto

1 Set 2004 - 17h50
A recuperação da economia levou o país a ganhar um contingente de 439 mil pessoas que conseguiram regularizar suas dívidas nos primeiros 20 dias de agosto, de acordo com dados do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito).

Com o nome limpo na praça, vários consumidores se reabilitaram a comprar a crédito. Em julho como um todo 923 mil pessoas saíram da inadimplência.

Até o dia 20 do mês passado, 2,550 milhões de pessoas tiveram o nome incluído no Serviço de Proteção ao Crédito, enquanto 2,989 milhões foram excluídas --daí o saldo positivo de 439 mil pessoas em dia.

Os últimos dois meses representam uma reversão na tendência de aumento na inadimplência. Em junho, por exemplo, o país ganhou 321 mil novos inadimplentes.

"Estamos tendo um reaquecimento gradual na economia, que só tende a crescer. Com isso, foi antecipada a queda na inadimplência, que tradicionalmente acontece em outubro e novembro. Neste ano, [essa tendência] já começou forte em julho", afirma Edson Monteiro, presidente do SPC Brasil.

O número de consultas ao banco de dados da organização caiu 40% na comparação com o mês de julho. "É uma queda relativamente rotineira nas consultas, seguindo a queda da inadimplência. Quando o consumidor paga, deixa de adquirir", diz Monteiro.

O volume de consultas é um dos indicadores do nível de atividade do comércio, já que ela é feita por empresas que precisam checar o cadastro de clientes que solicitam crédito para comprar produtos.

O banco de dados do SPC é composto por 140 milhões de cadastros de pessoas físicas e 16 milhões de cadastros de pessoas jurídicas. O sistema é acessado diretamente por 1,5 milhão de operadores, representantes de cerca de 550 mil empresas em todo o país.

Apesar da queda na inadimplência, dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicam que o consumo está crescendo. No segundo trimestre, o consumo das famílias cresceu 5% na comparação com o mesmo período do ano passado. Este foi o melhor resultado desde o segundo trimestre de 1997. O crédito facilitado e o crédito habitacional estariam agindo como indutores do crescimento do consumo.

A recuperação da demanda ainda depende do acompanhamento da capacidade de endividamento, da renda e da taxa de desemprego, segundo o IBGE. Em julho, a taxa de desemprego caiu pelo terceiro mês consecutivo e ficou em 11,2%, de acordo com a Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE.
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada