Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 3 de junho de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Puccinelli pode ser impedido de dar apoio oficial a Serra

21 Mai 2010 - 11h11Por Mídia Max

A 22 dias da convenção que formalizará sua indicação para vice na chapa de Dilma Rousseff, Michel Temer trava com os dissidentes do PMDB um cabo-de-guerra.

Presidente da legenda, Temer tenta impedir que os diretórios estaduais sublevados façam campanha para o presidenciável tucano José Serra.

Foi avisado de que, se esticar a corda, pode eletrificar a convenção nacional. Algo que tisnaria e, no limite, até ameaçaria sua assunção à vice de Dilma.

O primeiro aviso veio do Mato Grosso do Sul. Ali, o governador pemedebê André Puccinelli disputa a reeleição contra José Orcírio dos Santos, o Zeca do PT.

A disputa local empurrou Puccinelli para uma aliança com o PSDB de Serra. A despeito disso, o governador não cogitava criar problemas para Temer.

Na última terça (18), o deputado Waldemir Moka (PMDB-MS), avisou a Temer que os ventos podem soprar noutra direção.

Candidato ao Senado na chapa de Puccinelli, Moka disse a Temer que as ameaças de retaliação podem convulsionar a convenção do PMDB federal.

Reclamou de uma consulta que o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) encaminhara ao TSE, em combinação com Temer.

Tenta-se arrancar do tribunal uma resposta que ratifique o entendimento de que o princípio da fidelidade partidária desautoriza a infidelidade na campanha.

Dito de outro modo: para o PMDB federal, seus diretórios podem até se coligar com partidos de oposição nos Estados. Mas não podem fazer a campanha de Serra.

Significa dizer que os insurretos estariam proibidos de levar o nome de Serra ao horário de rádio e TV do partido.

Tampouco poderiam mencioná-lo nas publicações de campanha. A propaganda eletrônica e impressa teria de prestigiar a chapa nacional: Dilma-Temer.

Os principais alvos de Temer são Orestes Quércia (São Paulo) e Jarbas Vasconcelos (Pernambuco). Mas a ameaça de reação contamina outros Estados.

Moka insinuou que, se levar adiante a exigência de fidelidade, Temer pode atrair a ira de pelo menos cinco Estados.

Além de São Paulo, Pernambuco e Mato Grosso do Sul, já fechados com Serra, flertam com o tucanato os PMDBs de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Todos esses Estados enviam delegados com direito a voto na convenção que sagrará Temer como candidato a vice da presidenciável petista.

 A maioria se inclinava para a neutralidade. Porém, confirmando-se a punição por infidelidade estadual, a neutralidade daria lugar à animosidade.

 Estão em jogo na convenção 803 votos. O grupo de Temer estima que dispõe de maioria de pelo menos cem votos.

Uma eventual rebelião do grupo pró-Serra poderia, no mínimo, conspurcar essa maioria, tornando-a mixuruca. Algo que seria constrangedor para Temer.

As apreensões de Moka chegaram a Temer no dia em que o PMDB reuniu, em Brasília, sua Executiva nacional. Temer chegara a cogitar a edição de uma resolução impondo desde logo a fidelidade, sob pena de intervenção nos diretórios. Desistiu. Até a noite da véspera,

Temer ainda considerava a hipótese de submeter à Executiva não uma resolução, mas uma recomendação de fidelidade. Desistiu também.

Optou-se por aguardar a resposta do TSE à consulta do partido. Se for afirmativa, vai-se alegar que a fidelidade é um imperativo judicial.

Em diálogo reservado, Geddel Vieira Lima, amigo de Temer e candidato pemedebê ao governo da Bahia, reforçou as preocupações do deputado Moka.

Embora favorável à fidelidade, Geddel receia que, a pretexto de reagir a Quércia, Temer acabe por incendiar os dissidentes que lhe são neutros.

Por ora, Temer parece fazer ouvidos moucos para os riscos. Diz algo assim: “O TSE fixou a tese da fidelidade partidária, depois ratificada pelo STF...” “...

Ficou estabelecido que o mandato não é do parlamentar, mas do partido. Se sair da legenda, pode até perder mandato. Perguntamos ao TSE o seguinte: essa fidelidade permite uma infidelidade durante a campanha?...”

“...Se o Quércia faz uma aliança com Geraldo Alckmin [PSDB], tudo bem, a lei permite. Mas ele poderá fazer a campanha do Serra se o partido tem um candidato na chapa nacional? Me parece que não”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

COISA MEDONHA
Mulher é desenterrada e estuprada um dia após ser sepultada
DOURADOS - NOVO EPICENTRO COVID-19
Dourados é novo epicentro do coronavírus em MS com mais de 300 casos confirmados
AUXÍLIO EMERGENCIAL
Caixa LIBERA 2ª parcela do auxílio de R$ 600 em contas dos beneficiários, veja os meses
ABSURDO
Médica relata ter sofrido agressões por parte de frequentadores de 'festas de corona'
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Menino de 9 anos, acidentalmente mata irmã de 7 anos com espingarda
TRAGEDIA NA RODOVIA
Mulher gravida e marido morrem e criança fica ferida em acidente trágico
PANDEMIA CORONAVIROS
Vai ser ''um massacre'', diz ex-diretor da Saúde sobre flexibilizar isolamento
BOA NOTICIA
Bolsonaro diz que auxilio emergencial pode ter quarta parcela, mas pagando menos
PRAZO MÁXIMO
Acordo prevê máximo de 20 dias para análise de auxílio emergencial
FÁTIMA DO SUL - BOLETIM CORONAVÍRUS
BOLETIM: Fátima do Sul tem mais 04 casos confirmados, sobe para 69 e tem 12 pacientes recuperados