Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 21 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Puccinelli perde no STF ação contra jornada de professores

28 Abr 2011 - 07h11Por Mídia Max

Após dois anos e meio de batalha judicial, o STF (Supremo Tribunal Federal) derrubou na tarde desta quarta-feira a ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) 4167, movida por cinco governadores, entre os quais André Puccinelli (PMDB), de Mato Grosso do Sul, contra a Lei 11.738, de 2008, que criou o piso salarial profissional nacional e que determina também que 33% da jornada do professor devam ser dedicadas às atividades fora da sala de aula.

Pela lei na composição do piso salarial do professor não entram os adicionais ou gratificações. Vale apenas o vencimento básico do professor por jornada de 40 horas semanais de trabalho.

“Foi uma vitória não só para os professores e, sim, para educação de todo o Estado”, comemorou Jaime Teixeira, presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores na Educação de Mato Grosso do Sul).

Além de Puccinelli, os governadores do CE, RS, SC e PR, reagiram contra a Lei, ingressando com a ADI no final de 2008. À época, o STF deu ganho de causa parcial aos governadores. E a lei foi suspensa por meio de liminar. Agora, a partir da publicação do acórdão, a medida deve ser aplicada logo.

Com a decisão do STF, um professor que cumpre jornada de 40 horas semanais, por exemplo, terá seu expediente dentro da sala de aula reduzido para 26.5 horas. O restante, 13.5 horas, o profissional da educação deve investir em formação continuada, planejamento, correção de provas e trabalhos, entre outras atividades.

Em 2008, assim que ingressou com a ADI, Puccinelli deu uma opinião sobre o tempo de planejamento de aula fora das salas, note: “Eu fui cirurgião de trauma. Aí um doido te atropela, foge, você está sangrando e entra em choque. Eu vou planejar 13 horas como fazer a cirurgia?”, questionou. “Não tem necessidade de aumentar horas de planejamento e diminuir o essencial, que é ensinar o aluno. O que precisa é dar aula para a gurizada”, acrescentou. Puccinelli disse que o tempo maior para o planejamento vai exigir a contratação de ao menos 2.800 professores.

O presidente da Fetems disse ainda que a decisão deva mexer nos salários dos professores. “A lei não era cumprida desde 2008, por força de liminar, agora com o desfecho judicial, temos de fazer uns cálculos, afinal o piso salarial era composto também por gratificações e adicionais e isso não pode mais acontecer”, disse Teixeira.

Deixe seu Comentário

Leia Também

tratamento precoce prefeito curitiba 100 TRATAMENTO
"Estão no Cemitério", diz prefeito de Curitiba sobre pessoas que usaram tratamento precoce Covid-19
A CASA CAIU
Mulher invade casa e flagra namorado fazendo sexo com outra; veja vídeo
LINHA DE FRENTE
'Ele lutou até o final', diz irmã de médico de 28 anos, após quase um mês morreu de Covid-19
SEU BOLSO
Litro da gasolina sobe R$ 0,15 nas refinarias da Petrobras
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Na calada da noite, namorado da avó estupra criança de 12 anos e é espancado por vizinhos
CONCURSO PÚBLICO
Concurso da Aeronáutica somam com as 21 mil vagas em outros concursos que a semana oferece
DEU RUIM
Jovem é atingido por raio enquanto usava celular no banheiro
PROVA DO ENEM
Confira as medidas de segurança durante a prova do Enem
SAIU O EDITAL
Com salário de até R$ 23,6 mil, Polícia Federal abre inscrição em concurso no dia 22
DESESPERO EM MANAUS
Médicos e familiares de pacientes descrevem colapso com falta de oxigênio em Manaus; leia relatos