Menu
SADER_FULL
domingo, 25 de outubro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

PT trabalha nome de Egon para enfrentar grupo de André

3 Abr 2007 - 04h50

O PT começou a traçar estratégias para eleger o sucessor do prefeito de Dourados, Laerte Tetila, e um dos nomes em evidência é o do ex-vice-governador de Mato Grosso do Sul, Egon Krakhecke, um dos expoentes mais respeitados do partido e um dos poucos a deixar o governo sem comprometer sua imagem.

O partido dispõe de outras alternativas para concorrer ao cargo em 2008, como o ex-deputado federal João Grandão, hoje assessor especial do prefeito, e o secretário de Governo, Wilson Biasoto.

Na prática, os petistas querem continuar à frente do segundo maior colégio eleitoral de Mato Grosso do Sul, reduto invejado pelo grupo político capitaneado pelo governador André Puccinelli (PMDB) e pelo vice-governador Murilo Zauith (DEM).

O deputado federal Vander Loubet defendeu hoje de manhã, durante entrevista à FM Capital, a participação do PT nas eleições do ano que vem em várias cidades, apontando como opção em Dourados o nome de Egon. Em Corumbá,  ele disse torcer pela reeleição do prefeito Ruiter Cunha.

Egon disputou o Senado no ano passado e obteve 456.363 votos (39,96%), ficando em segundo lugar, perdendo apenas para a tucana Marisa Serrano, que conquistou a vaga deixada por Juvêncio César da Fonseca (PSDB), com 607.584 53,20 (53,205). 

"O Egon saiu fortalecido da candidatura de senador", justificou Vander, referindo-se ao seu companheiro de partido.

Vander também quer ver o Partido dos Trabalhadores brigando pela prefeitura de Campo Grande, lembrando como opção o senador Delcídio do Amaral, derrotado por  André Puccinelli (PMDB) na disputa pelo governo do Estado em 2006.

"O senador Delcídio vai ser nosso candidato. É o nome que nos temos", afirmou, lembrando que o senador declarou publicamente o desejo de disputar a prefeitura. "Só não pode lá na frente recuar. "É ruim para o partido", avisou.

O ideal, segundo ele, é que o candidato do PT a prefeito de Campo Grande seja competitivo, não entre na eleição com 4% ou 5% das intenções de voto.

Ele lembrou que no caso de Delcídio, ele chegou a atingir 40% dos votos na disputa passada para o governo do Estado.

No restante dos municípios, Vander diz que tem de ser analisado caso a caso e partir para as alianças. "Onde o partido não tiver força fazer as alianças necessárias", defendeu.

Atividades – Vander informou que o ex-governador Zeca do PT deverá retomar as atividades políticas depois da Páscoa, após três meses longe dos holofotes da imprensa.

O deputado disse lamentar a preferência de Zeca por uma atividade na iniciativa privada (vai atuar como consultor das áreas de etanol e biodiesel em parceria com o ex-deputado José Dirceu), recusando convite do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para assumir um cargo na esfera federal.

 

Conjuntura Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

SIM A VIDA
Brasil se une a Egito, Indonésia, Uganda, Hungria e EUA em declaração contra o aborto
Invasão em residência acaba morador morto por tiro acidental TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem mata o próprio irmão ao atirar em invasor de residência
GUERRA DA VACINA
Bolsonaro diz que não comprará vacina chinesa, mesmo se aprovada pela Anvisa
Motorista da carreta diz que ainda tentou desviar, mas não conseguiu DOENÇA DO SÉCULO
Menor pega carro escondido, joga contra carreta e morre na hora
BRASIL - 155.403 MORTES
Covid-19: Brasil tem 24.818 novos casos em 24 horas
AJUDA
Caixa Econômica paga auxílio emergencial para 5,2 milhões de beneficiários
CORONAVIRUS
Morre voluntário brasileiro que participava de testes da vacina de Oxford
MORTE SUBITA
Idoso morre em voo de Cuiabá para SP; avião faz pouso de emergência
BRASIL - 154.176 MORTES
Covid-19: Brasil tem mais 271 óbitos e 15.383 novos casos em 24h
TRAGÉDIA NA CIDADE
Acidente entre trem e e micro-ônibus deixa uma mulher morta e feridos