Menu
BANNER IMPRESSORAS
quarta, 10 de agosto de 2022
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Brasil

Propaganda perde protagonismo para imprensa e internet

30 Out 2010 - 11h48Por Folha Online

A estratégia autônoma das campanhas presidenciais para o horário eleitoral, neste ano, durou duas semanas.

Começou com a onipresença de Lula, vinculado nos programas tanto a Dilma Rousseff quanto a José Serra.

Em pouco tempo se evidenciou a ampla transferência de votos para a primeira, e o jogo mudou. O tucano passou a vincular a petista a José Dirceu e ao mensalão.

A partir de setembro, as duas campanhas foram levadas a reboque pela cobertura dos escândalos, a primeira procurando responder, a segunda buscando potencializar. A quebra do sigilo fiscal da filha de Serra marcou a mudança. E a resposta de Dilma veio por meio de Lula.

Mas foi limitado o efeito desta primeira "bala de prata", com as pesquisas apontando alta da petista.

A segunda não demorou, com o escândalo da Casa Civil, que facilitou a vinculação com Dilma, em inserção tucana que a associava a Erenice Guerra e Dirceu.

Já era evidente que tanto na cobertura como na propaganda a campanha passaria ao largo de propostas de governo, temas econômicos etc. O conflito passou a ser aberto, entre tucanos e petistas, e caracterizado por choques dramáticos medidos em pesquisas qualitativas.

De sua parte, correndo em raia própria e com pouco tempo de TV, Marina Silva atravessou o primeiro mês de propaganda sem sair do lugar. Até que a queda de Erenice, no dia 17 de setembro, rompeu as defesas de Dilma, e ela começou a cair nas pesquisas. E Marina a subir.

Entrou em cena, para além dos escândalos, da cobertura tradicional e do próprio horário eleitoral, o movimento evangélico não identificado em pesquisas quantitativas e qualitativas, impulsionando a candidata evangélica e trazendo à tona o temor de liberalização do aborto.

Em pouco tempo, Marina ultrapassou o tucano em intenções de voto no Rio. E este respondeu na TV com o pastor Silas Malafaia, que mudou de lado e passou a atacar a ex-petista violentamente, procurando vinculá-la ao aborto e defendendo o voto evangélico em Serra.

Mas era Dilma quem mais perdia com o tema. E o aborto, que marcou o final do primeiro turno, avançou pelo segundo, como prioridade maior nos programas dos dois candidatos que avançaram --e com a entrada em cena da Igreja Católica, buscando disputar a bandeira com os evangélicos.

A pausa na artilharia tucana, após reportagem sobre relatos de que Mônica Serra teria feito aborto no Chile, durou pouco. E ontem, encerrando a propaganda no rádio, o próprio José Serra voltou à carga, explorando a "palavra de amor à vida" lançada pelo papa Bento 16 a três dias da eleição.

Na campanha, o horário eleitoral perdeu protagonismo, primeiro para a cobertura, depois para a religião, com voz própria na internet.

Leia Também

TENTATIVA DE ASSASSINATO
Coroinha é esfaqueado no pescoço durante missa em igreja
AUXILIO CAMINHONEIRO
Caixa libera consulta ao Auxílio Caminhoneiro
VAMOS AJUDAR - COMPARTILHE
Casal que adotou 3 irmãos autistas vítimas de maus-tratos comove internautas
DESUMANIDADE
Polícia interdita casa de repouso por tortura e sequestro de idosos
DENUNCIADO POR VIZINHOS
Mãe e filho são executados e corpos escondidos dentro de sofá velho jogado em lote baldio
AUXILIO BRASIL
Governo amplia Auxílio Brasil e mais 23,7 mil famílias vão receber em MS
ASSASSINATO
Campeão mundial de jiu-jitsu, Leandro Lo morre após levar tiro na cabeça
COVID NO BRASIL
Covid-19: Brasil registra 261 óbitos e 40,4 mil casos em 24 horas
LENDA DO HUMORISMO
Jô Soares morre em São Paulo aos 84 anos
A CONTA GOTAS
Petrobras anuncia corte de R$ 0,20 no preço do diesel