Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 14 de maio de 2021
Busca
Brasil

Propaganda perde protagonismo para imprensa e internet

30 Out 2010 - 11h48Por Folha Online

A estratégia autônoma das campanhas presidenciais para o horário eleitoral, neste ano, durou duas semanas.

Começou com a onipresença de Lula, vinculado nos programas tanto a Dilma Rousseff quanto a José Serra.

Em pouco tempo se evidenciou a ampla transferência de votos para a primeira, e o jogo mudou. O tucano passou a vincular a petista a José Dirceu e ao mensalão.

A partir de setembro, as duas campanhas foram levadas a reboque pela cobertura dos escândalos, a primeira procurando responder, a segunda buscando potencializar. A quebra do sigilo fiscal da filha de Serra marcou a mudança. E a resposta de Dilma veio por meio de Lula.

Mas foi limitado o efeito desta primeira "bala de prata", com as pesquisas apontando alta da petista.

A segunda não demorou, com o escândalo da Casa Civil, que facilitou a vinculação com Dilma, em inserção tucana que a associava a Erenice Guerra e Dirceu.

Já era evidente que tanto na cobertura como na propaganda a campanha passaria ao largo de propostas de governo, temas econômicos etc. O conflito passou a ser aberto, entre tucanos e petistas, e caracterizado por choques dramáticos medidos em pesquisas qualitativas.

De sua parte, correndo em raia própria e com pouco tempo de TV, Marina Silva atravessou o primeiro mês de propaganda sem sair do lugar. Até que a queda de Erenice, no dia 17 de setembro, rompeu as defesas de Dilma, e ela começou a cair nas pesquisas. E Marina a subir.

Entrou em cena, para além dos escândalos, da cobertura tradicional e do próprio horário eleitoral, o movimento evangélico não identificado em pesquisas quantitativas e qualitativas, impulsionando a candidata evangélica e trazendo à tona o temor de liberalização do aborto.

Em pouco tempo, Marina ultrapassou o tucano em intenções de voto no Rio. E este respondeu na TV com o pastor Silas Malafaia, que mudou de lado e passou a atacar a ex-petista violentamente, procurando vinculá-la ao aborto e defendendo o voto evangélico em Serra.

Mas era Dilma quem mais perdia com o tema. E o aborto, que marcou o final do primeiro turno, avançou pelo segundo, como prioridade maior nos programas dos dois candidatos que avançaram --e com a entrada em cena da Igreja Católica, buscando disputar a bandeira com os evangélicos.

A pausa na artilharia tucana, após reportagem sobre relatos de que Mônica Serra teria feito aborto no Chile, durou pouco. E ontem, encerrando a propaganda no rádio, o próprio José Serra voltou à carga, explorando a "palavra de amor à vida" lançada pelo papa Bento 16 a três dias da eleição.

Na campanha, o horário eleitoral perdeu protagonismo, primeiro para a cobertura, depois para a religião, com voz própria na internet.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada