Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 14 de maio de 2021
Busca
Brasil

Programa Saúde da Família atende 67 milhões

30 Jul 2004 - 17h53
A cena lembra a figura do médico da família de antigamente. O clínico geral Marco Aurélio Cândido, de 31 anos, visita a casa da costureira Leontina Maria Oliveira, moradora do bairro Vila Pedroso, na periferia de Goiânia. Assim que chega, logo pergunta se dona Leontina está tomando regularmente o remédio que controla a hipertensão. Ele senta, afere a pressão, examina, conversa, ouve e orienta.

O médico integra uma das 20.561 equipes do Programa Saúde da Família (PSF) espalhadas por 83,6% dos municípios do país. Dez anos após a sua criação, o programa atende hoje cerca de 67 milhões de brasileiros e carrega o propósito de reorganizar a prática da atenção à saúde em novas bases e substituir o modelo tradicional, levando a saúde para mais perto da família.

Com um orçamento estimado para 2004 de R$ 2 bilhões, o PSF prioriza as ações de prevenção, promoção e recuperação da saúde. O atendimento é prestado na unidade básica de saúde ou no domicílio por cada uma das equipes do PSF, compostas por um médico, um enfermeiro, um auxiliar de enfermagem e entre quatro a seis agentes comunitários. Cada equipe atende, em média, 3,5 mil pessoas por mês.

Os moradores visitados são indicados por agentes comunitários de saúde, que identificam aqueles que têm dificuldade de ir até o posto de atendimento. A prioridade são as crianças, gestantes, idosos, hipertensos e diabéticos. As equipes também se mantêm atentas à ocorrência de doenças de notificação compulsória, como a hanseníase, a tuberculose e a aids.

Com esse modelo aparentemente simples de assistência à saúde, o programa constrói uma relação médico-paciente mais forte, mais estreita e de respeito.A confiança mútua facilita a identificação e o atendimento aos problemas da comunidade.

“Antes eu tinha que ir até o hospital e muitas vezes esperava horas na fila para ser atendida. Hoje recebo o médico em casa, ele cuida de mim, passa a receita dos remédios e me leva para o hospital quando é preciso”, conta dona Leontina.

A confiança também é percebida pelo profissional de saúde. “O vínculo é muito forte. As famílias têm uma confiança muito grande na gente e acabam consultando a equipe sobre diversos assuntos ligados à saúde”, completa o médico Marco Aurélio.

 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada