Menu
SADER_FULL
sexta, 14 de maio de 2021
Busca
DIREITOS

Professores universitários querem mais democracia e transparência

12 Ago 2010 - 05h12Por Fátima News

Reunidos com o candidato a governador do Estado, Zeca do PT, professores universitários denunciaram a falta de democracia, transparência e critérios justos que atualmente permeiam o ensino superior em Mato Grosso do Sul. A reunião, que também teve  a presença da candidata a vice-governadora, Tatiana Azambuja (PV), contou com mais de 50 docentes de todas as universidades de Campo Grande, na noite de ontem, na sede do comitê de Zeca.

Thomas Lipparelli, que é professor universitário há 22 anos e já lecionou em universidades públicas e privadas do Estado, afirma que um dos exemplos da atual situação é o funcionamento da Fundect (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul).

“Sabemos que a Fundect é órgão de apoio financeiro e estrutural a pesquisas e projetos voltados para o conhecimento e por isso é um dos pilares de sustentação das universidades. No entanto, nos últimos quatro anos os processos se tornaram morosos e extremamente burocráticos. Além disso, muitos projetos que foram beneficiados financeiramente pela fundação não tiveram critérios justos e transparentes na seleção, o que mostra que foram escolhidos somente por interesses particulares do governador”, afirmou Lipparelli.

Os professores também apresentaram duras críticas sobre a administração do atual governo na educação e na gerência de instituições de ensino superior como a UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul). Mariuza Guimarães, que é professora do curso de pedagogia na instituição afirmou que “A UEMS foi abandonada pelo atual governador”.

“A UEMS perdeu totalmente sua autonomia financeira e institucional o e isso prejudica tanto professores como estudantes. A universidade chegou a ter 80% de seus alunos provenientes da rede pública de ensino, no entanto, a maioria desses estudantes que ingressam nos cursos não conseguem terminar os estudos por causa da falta de incentivo, e da dificuldade de conseguir bolsas de estudo”, explica Mariuza.

Propostas

Depois de ouvir as reivindicações da classe docente universitária, Zeca e Tatiana apresentaram as principais propostas do PT para a melhoria da educação no Estado.

Concordando com a reivindicação da professora Mariuza, Zeca afirmou que a UEMS é uma das prioridades de seu plano de governo e lembrou que sua proposta traz o restabelecimento da autonomia financeira da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul), além da implantação de uma unidade física em Campo Grande e da expansão da universidade para mais municípios.

Tatiana Azambuja, que também é professora universitária, elogiou a classe pela determinação de lutar por mudanças e melhorias pela educação. “Nós, professores, somos fundamentais para a construção de uma realidade democrática e socialmente mais justa”, destacou.


Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada