Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 13 de junho de 2021
Busca
Brasil

Professor índio está desaparecido há 37 dias em Paranhos

8 Dez 2009 - 16h25Por Diário MS
O desaparecimento do professor indígena Rolindo Vera, ocorrido em Paranhos, na fronteira com o Paraguai, completa 37 dias hoje. Ele desapareceu junto com o primo, o também professor indígena Genivaldo Vera, após confronto com seguranças da fazenda São Luiz, no dia 31 de outubro.

O corpo de Genivaldo foi encontrado no dia 7 de novembro enroscado ao galho de uma árvore, no córrego Ypoi, a 30 km de Paranhos. Inicialmente, o corpo foi reconhecido pelo pai, Bernardo Vera, através de fotos. No dia 20 de novembro, o IML (Instituto Médico Legal) de Campo Grande confirmou que o corpo era de Genivaldo Vera. O laudo assinado pelo médico legista Ronaldo Rosa afirmou que o corpo tinha uma fratura no tórax. O legista também constatou que o índio não morreu de afogamento, ou seja, ele já estava morto quando foi atirado ao córrego.

Até agora a Polícia Federal não divulgou o resultado da investigação sobre o desaparecimento de Rolindo Vera e sobre a morte de Genivaldo Vera. A Polícia Civil, que recebeu o laudo do IML, também não falou mais sobre o caso. As buscas aos índios envolveram até soldados do Exército, mas nenhuma pista foi encontrada.

No dia 14 de novembro, a Anistia Internacional enviou um comunicado aos governos brasileiro e paraguaio pedindo que fossem redobrados os esforços nas buscas pelo professor índio Rolindo Vera. O governador André Puccinelli (PMDB) divulgou nota oficial afirmando que todos os recursos humanos e materiais da segurança pública seriam colocados à disposição da Polícia Federal e da Justiça Federal visando o esclarecimento do desaparecimento e do assassinato.

O caso

No dia 29 de outubro, pelo menos 50 índios da aldeia Pirajuí invadiram a fazenda São Luiz e montaram acampamento. A área ocupada fica a 50 km da aldeia, na fronteira com o Paraguai. A ocupação foi liderada por Bernardo Vera, pai de Genivaldo e tio de Rolindo. Os dois professores participaram da invasão.

Dois dias depois da ocupação, homens armados foram à fazenda ocupando caminhonetes e entraram em confronto com os índios para expulsá-los da área. Os próprios índios relataram que houve confronto e o grupo fugiu de volta à aldeia Pirajuí. Genivaldo e Rolindo não conseguiram voltar para casa. Acionada pelo MPF (Ministério Público Federal), a PF começou a investigar o confronto quatro dias depois.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CÓDIGO DE TRÂNSITO
Mudanças no código de trânsito brasileiro e suas implicações para motoristas
ESPORTE PELO MUNDO
Em fase artilheira no Cazaquistão, lateral Bryan, ex-Cruzeiro, valoriza presença e relacionamento
FOTO: Só Notícias / Luan Cordeiro / ASSESSORIA COPA AMÉRICA 2021 - NO BRASIL
COPA AMÉRICA: Confira as 06 Seleções que jogarão na Arena Pantanal
biden vacinas capa 696x487 SOLIDARIEDADE
Biden anuncia que vai mandar vacinas para o Brasil e outros países
FENÔMENO RARO
Junho tem Eclipse Solar, Lua de Morango e dia mais longo do ano
PROTESTOS PELO BRASIL
29M pelo fora Bolsonaro chegou a mais de 200 cidades e ganhou as redes sociais
ATENTADO AO PUDOR
Prostitutas exibem partes íntimas no meio da rua, moradores reclamam, Vídeos
NA BRONCA
Bolsonaro aciona STF contra decretos estaduais que impõem restrições para conter Covid-19
BARBÁRIE
Homem encontra partes do corpo do filho em rio
FENÔMENO RARO
Super Lua de Sangue e Eclipse total acontece nesta quarta