Menu
SADER_FULL
sexta, 14 de maio de 2021
Busca
Brasil

Produtores de orgânicos terão de se adequar para certificação

31 Mai 2010 - 14h33Por Mídia Max

Executado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso do Sul (Senar), o projeto Terrativa atende produtores do Projeto de Apoio à Produção Sustentável no Território da Reforma para o cultivo de hortas orgânicas em Terenos e Sidrolândia. Para quem trabalha com produção agroecológica, como é o caso dos agricultores do Terrativa, a novidade é um novo sistema de certificação orgânica, sob responsabilidade do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que pretende criar um selo nacional para a qualidade de produtos orgânicos.

Os agricultores interessados em certificar sua produção devem se adequar as regras do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica, instituído sob o decreto 6.323. A nova regulamentação visa justamente fortalecer o cultivo familiar, que de acordo com o último censo agropecuário, responde por 85% de toda a produção orgânica do país. Para o coordenador do projeto, Clóvis Tolentino, a certificação traz benefícios ao produtor, mas consegui-la depende de uma série de fatores.

Para que uma propriedade receba um selo de produto orgânico existem várias exigências, como um período de 6 meses, no mínimo, para a transição de uma produção que utiliza química para uma que seja orgânica. A propriedade também deve ser um ambiente em que são utilizados princípios de produção agroecológica, contemplando o uso responsável do solo, da água, do ar e todos os demais recursos naturais. Não é permitido o uso de qualquer substância sintética ou produtos transgênicos.

Assim também é o Terrativa, que atua com seis unidades demonstrativas localizadas em pequenas propriedades de Terenos e Sidrolândia. “As propriedades que tem produção orgânica implantada pelo projeto servem como difusoras desse tipo de cultivo, pois os produtores ao redor vêem de perto o sucesso da produção e por conta própria implantam o sistema em suas propriedades”, relata Tolentino.

A produtora Cassimira Neres, conhecida como Dona Neta, tem em sua propriedade uma dessas unidades demonstrativas. Ela e o marido, Abdias Ferreira da Silva produzem milho, colve, mandioca, tomate cereja, pimenta, abóbora entre outros. Para ela, a certificação é um objetivo a ser atingido e terá de se adequar. “Depois que comecei a trabalhar com orgânicos não quero mais voltar ao antigo sistema, trabalhar assim é importante em primeiro lugar para a saúde e por isso estou a caminho de certificar meus produtos”, afirma.


Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada