Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 25 de setembro de 2020
SADER_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

Produtores argentinos não se animam com elevação de preços do trigo

16 Ago 2010 - 09h20Por Opera Mundi

O aumento do preço do trigo no mercado internacional, que já vinha em ascensão e se intensificou na semana passada devido à suspensão russa da exportação do grão, não animou o setor agrícola argentino, segundo a Confederação de Associações Rurais de Buenos Aires e La Pampa (Carbap).

A Argentina, que já ocupou o posto de quinto maior exportador do cereal, seria um dos países com potencial para abastecer mercados que dependem das exportações russas.

Mas, para garantir a segurança alimentar, o país adota uma política que limita as exportações.

As estimativas para a safra de 2010-2011 são de colheita de 12 milhões de toneladas de trigo, se os índices pluviais atuais nas áreas produtivas se mantiverem.

Até o momento, o governo autorizou que 3 milhões de toneladas sejam destinadas ao mercado externo.

O setor afirma que a existência da quota e os impostos de 23% sobre o valor do trigo impedem que o país ganhe mercados que ficarão sem o trigo russo.

Alberto Larrañaga, secretário da Carbap, afirma que o aumento do preço no mercado internacional não é repassado ao agricultor e que se beneficiam da situação as grandes empresas exportadoras e os moendeiros do país.

“O agricultor está desmotivado porque não tem sinais suficientes de que poderá vender sua colheita devido às limitações às exportações e aos impostos estabelecidos pelo governo”, diz ele.

O economista chefe do Instituto de Estudos Econômicos da Bolsa de Cereais de Buenos Aires, Ramiro Costa, concorda que os agricultores do cereal vivem um momento de descontentamento, mesmo com a alta cotação do trigo.

“Com as exportações fechadas, os moinhos têm a sua disposição mais do que necessitam para abastecer o mercado interno e, com a oferta maior que a demanda, o valor pago ao produtor é ainda menor.”

Mariano Otamendi, que integra a comissão diretora da Associação Argentina Pró-Trigo, também defende uma política mais liberal para o setor: “Estamos falhando com mercados como o Brasil, com quem temos acordos de abastecimento.”

A fase de semeadura, que teve início em maio, já está concluída nas províncias de Córdoba, Santa Fé e norte de Buenos Aires, as principais regiões produtoras do cereal.

No sul de Buenos Aires ainda existe alguma possibilidade de aumentar a área de cultivo.

“A notícia russa foi inesperada e provocou um aumento não previsto nos preços. Temos que comprovar quanto será efetivamente produzido, porque muitos fatores influenciam o período de crescimento e desenvolvimento da colheita.

Em função dos acordos comerciais, a maior parte será exportada ao Brasil e tentaremos vender os excedentes a outros mercados”, explica Oscar Solis, subsecretário de agricultura do Ministério de Agricultura, Criação de Gado e Pesca da Argentina.

Proteção do mercado interno

Para o governo, os impostos aos agricultores são uma medida do governo para conter a subida dos preços dos derivados das commodities no abastecimento interno.

Quando o trigo encarece, esta arrecadação sobre o preço de venda restitui a diferença paga pelos moendeiros na compra da matéria-prima.

“Com esta equação, temos recursos para compensar o aumento dos preços, sustentando valores acima do estipulado pelo governo de quanto pode ser passado ao consumidor”, defende o subsecretário.

Entre os temores alimentados pela escassez mundial de trigo, o mais preocupante é o possível aumento do preço do pão. Esta relação, no entanto, é desmentida por Larrañaga.

“A este preço os moendeiros fazem seus negócios normalmente, porque ainda está longe dos aumentos recordes internacionais.

Além disso, a farinha de trigo incide pouco no preço do pão, já que é apenas um dos ingredientes, e se somam outros fatores, como custo de mão de obra e eletricidade utilizadas”, relativiza. “Mas, para se prevenir, os padeiros aumentam os preços antes mesmo de saber se a farinha vai realmente encarecer”.

Quanto às reclamações dos agricultores, o subsecretário afirma: “As retenções sobre o valor de venda sempre geram queixas.

Mas temos que considerar o câmbio atual do peso argentino, que é competitivo para a atividade e permite que o governo distribua parte deste rendimento entre outros setores.

Nós, como produtores, vamos receber mais pelo preço do trigo no mercado futuro e claro que vamos nos beneficiar. Se a mudança no cenário internacional tivesse acontecido há dois meses, talvez o cenário pudesse ser ainda melhor.”

Deixe seu Comentário

Leia Também

Motorista registrou a travessia de uma jiboia na avenida Ayrton Senna, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. FORA DO HABITAT
VÍDEO: motorista flagra jiboia cruzando pista de avenida no RJ: 'olha isso'
Só queria que me entendessem sem preconceito! PRECONCEITO
Jovem é expulso de casa ao assumir namoro com mulher trans
Yan e um comparsa renderam mãe e filha na rua CRIMINOSO
Bandido morto pela PM arrancou família de carro e agrediu mulher uma semana antes
O diesel não sofreu reajuste. + ALTA
Gasolina sobe 4% nas refinarias, anuncia Petrobras
O total de mortes causadas por covid-19 chega a 138.108, um acréscimo de 0,6% sobre a soma de segunda Saúde
Covid-19: Brasil tem 33,5 mil novos casos e 836 mortes em 24 horas
HERANÇA PORTUGUESA
A herança portuguesa na vida cotidiana do Brasil
Os beneficiários nascidos em janeiro  3,9 milhões de pessoas  poderão sacar AJUDA FINANCEIRA
Caixa paga nova parcela do auxílio emergencial para 5,6 milhões de pessoas
o maior programa de assistência aos mais pobres no Brasil e talvez um dos maiores do mundo PRESIDENTE NA ONU
Bolsonaro diz que brasileiros receberam mil dólares de auxílio
Imagem: Reprodução/Balanço Geral Londrina FUGA EM MASSA
Presos fogem de cadeia após surto de Covid-19
Material estava dentro de uma bexiga e enrolado com fita isolante PROFUNDEZAS DO CRIME
8 celulares e outros materiais são retirados do ânus de preso