Menu
SADER_FULL
terça, 29 de setembro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Procuradores de Mato Grosso do Sul defendem escutas em presídios

30 Jul 2010 - 07h09Por G1

O Ministério Público Federal no Mato Grosso do Sul (MPF-MS) divulgou nesta quinta-feira (29) nota em que apresenta justificativas e defende as gravações de conversas entre presos e advogados feitas com autorização judicial no presídio federal do estado. A gravação de diálogos nos parlatórios, espaços reservados a conversas entre presos e seus advogados, foi autorizada pelo juiz federal Odilon de Oliveira.

Na nota, assinada por seis procuradores da República do estado, o MPF-MS afirma que, em três anos de funcionamento da penitenciária, as gravações foram feitas com 0,5% dos 430 detentos.

Segundo o texto, somente uma vez foi feita gravação apenas de áudio no espaço reservado a visitas íntimas. Em todos os casos, assegura a nota, as decisões tinham o objetivo de “preservar vidas de inocentes e evitar ações criminosas de grande porte”.

“As pouquíssimas determinações de áudios no presídio federal foram sempre motivadas por sólidas informações dos serviços de inteligência no curso de investigação criminal contra o preso ou relacionadas a forte contexto de indícios de graves ilicitudes”, afirmaram os procuradores do estado.

Também por meio de nota, divulgada no final de junho, a Procuradoria-Geral da República (PGR) já havia defendido a posição dos procuradores federais do Mato Grosso do Sul.

A vice-procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou que o Ministério Público do estado tem “zelado nos exatos limites” pela aplicação da penal.

“Não há imunidade individual garantida em lei a monitoramento ambiental autorizado pelo Poder Judiciário, por meio de gravações de áudio e vídeo, a advogados que são suspeitos de praticarem crimes em conjunto e em benefício de seus clientes que estão encarcerados em penitenciárias federais.”, afirmou.

A autorização para as escutas foi criticada pela Ordem dos advogados do Brasil (OAB). A entidade vai mover representação no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) contra o juiz Odilon de Oliveira. Segundo o presidente da OAB, Ophir Cavalcante, as escutas violam o princípio da ampla defesa e o direito de sigilo das comunicações entre o advogado e os seus clientes. "Esse tipo de ilegalidade contraria o estado de direito democrático", afirmou.


Deixe seu Comentário

Leia Também

Motorista registrou a travessia de uma jiboia na avenida Ayrton Senna, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. FORA DO HABITAT
VÍDEO: motorista flagra jiboia cruzando pista de avenida no RJ: 'olha isso'
Só queria que me entendessem sem preconceito! PRECONCEITO
Jovem é expulso de casa ao assumir namoro com mulher trans
Yan e um comparsa renderam mãe e filha na rua CRIMINOSO
Bandido morto pela PM arrancou família de carro e agrediu mulher uma semana antes
O diesel não sofreu reajuste. + ALTA
Gasolina sobe 4% nas refinarias, anuncia Petrobras
O total de mortes causadas por covid-19 chega a 138.108, um acréscimo de 0,6% sobre a soma de segunda Saúde
Covid-19: Brasil tem 33,5 mil novos casos e 836 mortes em 24 horas
HERANÇA PORTUGUESA
A herança portuguesa na vida cotidiana do Brasil
Os beneficiários nascidos em janeiro  3,9 milhões de pessoas  poderão sacar AJUDA FINANCEIRA
Caixa paga nova parcela do auxílio emergencial para 5,6 milhões de pessoas
o maior programa de assistência aos mais pobres no Brasil e talvez um dos maiores do mundo PRESIDENTE NA ONU
Bolsonaro diz que brasileiros receberam mil dólares de auxílio
Imagem: Reprodução/Balanço Geral Londrina FUGA EM MASSA
Presos fogem de cadeia após surto de Covid-19
Material estava dentro de uma bexiga e enrolado com fita isolante PROFUNDEZAS DO CRIME
8 celulares e outros materiais são retirados do ânus de preso