Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 16 de janeiro de 2022
Busca
Brasil

Presidente do Inep quer Exército e Correios cuidando do Enem

22 Dez 2009 - 05h17Por Terra

O novo presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Joaquim Neto, defendeu que as Forças Armadas, a Polícia Federal e os Correios possam continuar atuando na segurança das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Neto substituirá Reynaldo Fernandes, que pediu demissão após a realização da nova prova do Enem, aplicada a mais de 2,5 milhões de alunos depois do vazamento de questões do exame original.

"A questão de segurança, da inteligência da Polícia Federal é fundamental. A Polícia Federal tem experiência nisso. A gente sabe que tem pessoas tentando fraudar. O que o Estado brasileiro não pode é não ter estrutura adequada. Os Correios são uma instituição que é especializada em logística. A entrada dos Correios do exame foi fundamental", comentou. Até final de janeiro, Joaquim Nato irá encaminhar ao ministro da Educação, Fernando Haddad, um plano de trabalho com as possíveis mudanças no Enem, incluindo a utilização recorrente dessas instituições e uma proposta para o eventual fim de licitações para a aplicação das provas.

"(O governo) Necessita de formas de o Estado escolher as instituições em que isso (segurança) tenha grande peso, e não apenas o preço. A experiência que eu tenho em relação à questão da licitação é que se você põe uma instituição que não tem estrutura, ela põe o preço lá embaixo e vai economizar onde? Na segurança. Isso não pode acontecer", salientou.

Ao anunciar os objetivos principais de sua gestão, o novo presidente do Inep disse que a meta é "estabilizar" a prova do Enem, recuperando a confiabilidade que o exame tinha antes do vazamento de suas questões este ano. "É um trabalho muito grande de estabilizar essa prova. Vimos na sociedade o quanto se tornou importante o ensino superior no país. Hoje tem uma ampla camada da sociedade preocupada com isso. Vamos trazer experiência metodológica e logística para o Inep, principalmente em relação ao Enem".

"Está muito claro (qual é) a importância de um exame desse porte. Uma coisa é fazer um exame para 100 mil ou 500 mil de pessoas. Outra coisa é para 4 milhões, 5 milhões. Precisa de logística, distribuição e segurança. Defendo que cada aluno que realize o exame e cada universidade que está colocando as suas vagas (vinculadas à prova) tenham segurança. Segurança exige um investimento e experiência", disse. "(O Inep) Vai trabalhar e fazer tudo que for preciso para isso (retomar credibilidade)", completou Joaquim Neto.

Leia Também

TEMPORAL - VIDEO
Forte chuva derruba árvores e deixa 23 mil pessoas sem energia
COVID NO BRASIL
Em 24 horas, as autoridades de saúde notificaram 175 novos óbitos, totalizando 620.971
TRAGÉDIA
Deslizamento de terra destroi casarão histórico em Ouro Preto MG
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Pai, mãe e três filhas morrem em capotamento de caminhão
BIG BROTHER
Saiba quem foram os ex-BBBs que já morreram; 3 estiveram no BBB9
COVID NO BRASIL
Covid-19: Brasil tem 87,4 mil casos e 133 mortes em 24 horas
HOMICIDIO EM SÉRIES
Bandido que comia olhos, orelhas e bebia sangue de vítimas é preso
COVID NO BRASIL
Brasil tem em 24 horas, mais 70.765 novos casos de covid-19
FAMILIA GRANDE
Mãe dá à luz quíntuplos em maternidade de São Paulo
joao 5 39 examinais as escrituras 2_3 LIÇÕES DA BIBLIA
Por meio Dele Deus fez o Universo