Menu
SADER_FULL
sexta, 24 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Prendendo Artuzi, Carlinhos e Sidlei, Zezinho vira prefeito

9 Mar 2010 - 18h17Por Dourados Informa

A cadeira de prefeito de Dourados poderá ser ocupada temporariamente pelo vice-presidente da Câmara, Zezinho da Farmácia (PSDB). Isso se o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul acolher pedido do procurador-geral de Justiça, Miguel Vieira da Silva, protocolizado na sexta-feira passada, e decretar a prisão do prefeito Ari Artuzi (PDT) e do vice Carlinhos Cantor (PR) por suposto envolvimento nas Operações Owari e Brothers.

Pela ordem seria o presidente da Câmara, Sidlei Alves (DEM), a assumir a vaga de prefeito, mas ele também estaria em posição delicada porque foi preso durante a operação.

O relator do processo é o desembargador Claudinor Abss Duarte, o mesmo, segundo o blog do jornalista Valfrido Silva, que mandou soltar os 41 presos das Operações Owari e Brothers em julho do ano passado. O pedido de prisão teria 42 páginas. As informações sobre o caso são desencontradas e marcadas por silêncio na prefeitura.

A redação do douradosinforma ligou, por duas vezes nesta tarde, para o celular do secretário de Imprensa e Comunicação, Eleandro Passaia, mas ele não atendeu. Ligou também para o presidente da Câmara duas vezes e ele também não atendeu.

O Correio do Estado, em reportagem da sucursal local, informou hoje que apesar da ameaça de prisão o prefeito estaria mantendo rotina normal de trabalho, mas ontem Artuzi esteve na Capital assinando convênios na Caixa e circulou a informação extra-oficial de que hoje ele estaria em Brasília (DF).

O procurador-geral de Justiça, Miguel Vieira da Silva, denunciou o prefeito de Dourados por envolvimento nos crimes apurados na Operação Owari, realizada pela Polícia Federal em julho do ano passado. Como tem foro privilegiado, ele foi denunciado ao TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul).

O MPE denunciou o prefeito, o comerciante Sizuo Uemura e o empresário Eduardo Takashi Uemura. O grupo é acusado de fraudar licitações públicas para a exploração de prestação de serviços em várias áreas de saúde a atividade funerária em Dourados.

Em julho do ano passado, policiais federais prenderam 42 pessoas, entre políticos, servidores públicos, empresários e profissionais liberais. Entre os denunciados estão os ex-secretários de Governo, Darci Caldo, o ex-assessor especial da prefeiutra, Jorge Antônio Dauzacker da Silva, os vereadores Humberto Teixeira Júnior, Paulo Henrique Amos Ferreira e o Sidlei Alves da Silva (presidente da Câmara Municipal), o secretário municipal de Saúde, Sandro Ricardo Bárbara, entre outros.

Na investigação efetuada pela Polícia Federal, aponta o chefe do MPE que ficou evidenciada a existência de uma influente organização criminosa liderada por Sizuo Uemura, voltada à prática de vários crimes, muitos deles em prejuízo da administração pública, realizados através de contratos firmados entre suas empresas, algumas em nome de terceiros, com empresas públicas e municípios, advindos de procedimentos licitatórios fraudados, direcionados previamente para a contratação das empresas.

Durante a investigação, feita por de determinação de Silva, o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) encontrou indícios do envolvimento do atual prefeito de Dourados no esquema montado para beneficiar a organização criminosa da família Uemura com uso de dinheiro público.

As denúncias envolvem crime de quadrilha ou bando, de fraude à licitação, de corrupção, entre outros, segundo a assessoria do MPE.

Na sessão de ontem da Câmara o vereador Marcelo Barros (DEM), o único a fazer oposição mais dura à administração, exigiu que o prefeito deixe o cargo e cuide apenas dessa questão jurídica que o envolve.

Mas a Câmara se viesse a ocorrer essa situação atípica no âmbito regional teria que instalar uma CPI para pedir o impeachment do prefeito para cassá-lo e só assim Dourados teria uma outra eleição. Mas não se sabe como uma CPI seria instalada na Casa onde o prefeito tem maioria folgada.

Nos bastidores corre a informação também de que a decisão no TJ/MS poderia sofrer influência política do Parque dos Podres e o momento de indecisão e turbulência seria pacificado. Assim o prefeito não correria risco de perder o cargo.

Diante da indefinição e das contradições postas corre também a notícia de que a prisão preventiva ou não seria decretada ainda nesta semana e que a parte jurídica que defende Artuzi já teria preparado um pedido de hábeas corpus preventivo.

O advogado do prefeito, Newley Amarilha, segundo o Correio do Estado de hoje, ainda guarda a notificação do TJ/MS para poder tomar alguma medida e ter acesso ao processo que estaria correndo em segredo de Justiça.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ROTA BIOCEÂNICA
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
CASTELO DE AREIA
Idoso casa com prostituta 35 anos mais nova e flagra com outro
DOENÇA DO SÉCULO
Servidor público é encontrado pendurado em árvore
COVID-19
Ministra de Bolsonaro testa positivo para Covid e cancela agenda em Nova Andradina
ASSUSTADOR
Homem encontra boneca na parede com bilhete misterioso: "obrigada por me libertar"
VIDEOS VAZADOS
Torcedora do flamengo esquenta a web com vídeos íntimos
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra em 24 horas 36.473 novos casos e 876 novas mortes
REVOLTANTE
Criança autista vítima de maus tratos é encontrada comendo fezes de cachorro para sobreviver
HOMICIDIO X SUICÍDIO
Marido mata esposa e tira própria vida; criança de 3 anos pede socorro a vizinho
NEGLIGÊNCIA
Criança de 2 anos ao volante mata prima de 3 anos atropelada