Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 3 de março de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

Prefeitura regulariza distribuição de medicamentos em Dourados

7 Jan 2011 - 14h10Por Clarissa Josgrilberg
Depois de comprometida, por mais de três meses, a entrega de medicamentos pela rede pública à população, a situação, pelo o que parece, começa a ser invertida. Na última quinta-feira, o município recebeu os produtos da compra emergencial que a atual administração fez; na próxima segunda-feira, outros materiais chegam e um pregão para a compra anual de 2011 está programado para acontecer.

“São vários lotes de medicamentos, o primeiro chegou e está em processo de conferência de quantidades e validades. Provavelmente, até hoje, todos os que já chegaram vão estar disponíveis”, esclarece Renato Oliveira Garcez Vidigal, secretário de saúde adjunto do município.

Com a conferência, alguns medicamentos foram encontrados com a data de validade próxima à de vencimento. “O procurador [acompanhou a checagem] para tomar providências legais diante às empresas e já foi acertado com elas que os que estão a dois meses para vencer vão ser trocados”, diz. 


Controlados

Conforme informou Vidigal, na saúde mental, onde a falta de remédios era mais crítica, há cinco itens disponíveis dos 15 que distribuem. Todos são remédios controlados.

Entre os medicamentos que, até então, estavam em falta estava o carbonato de lítio (um estabilizador de humor), fluoxetina (que age como antidepressivo) e o haloperidol (que ajuda no controle à agressividade).


Diabéticos

A população diabética, que sofreu por mais de seis meses com a falta de produtos específicos a ela , também poderá voltar a usufruir de seus direitos de cidadão. Conforme informou o secretário de saúde adjunto do município, esses materiais devem chegar na próxima segunda-feira.

“Já está comprado [o material para atender os diabéticos], o prazo para entrega é segunda- feira. Os aparelhos [que medem o índice de glicose no paciente] também chegam para os diabéticos, principalmente para as crianças e os idosos, que são os que sofrem mais”, diz Vidigal.

Em novembro do ano passado, mostramos no site o caso de seu Amado Palácio, 63 anos, um dos que sofria com a falta de atendimento aos diabéticos. Ele nos informou que não conseguia fitas e aparelhos há tempos. “Preciso do aparelho porque sobe e desce de repente minha glicemia, fui uma porção de vezes na Secretária de Saúde me prometeram o aparelho e nada ainda”, disse.

O fornecimento de aparelhos também é de responsabilidade dos órgãos de saúde públicos.


Futuro

Se tudo correr como planejado, até o final deste ano, a saúde de Dourados não deverá mais ter problemas com a falta de remédios e materiais, pelo menos, é o que informou o secretário de saúde adjunto do município.

““O pedido emergencial feito é só para quando há erro de planejamento. Esses [remédios recebidos agora] garantem a não compra de produtos por três meses. O planejamento para a compra deste ano está pronto, o pregão ocorre ainda nesta gestão e a próxima só recebe os produtos. Com essa compra, deverá haver todos os produtos da saúde até o final deste ano”, explica Renato Vidigal.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Filho de fazendeiro reclama de dor anal e mãe descobre estupro cometido por funcionário
BOA NOTICIA
Governo zera PIS e Cofins do diesel e do gás de cozinha
RIGOR DA LEI
Cidade vai multar em até R$ 60 mil quem descumprir decreto de combate ao Covid-19
PANDEMIA 100 FIM
Brasil tem 30.484 mortes por Covid-19 em fevereiro, 2º maior número em toda a pandemia
charge_gasolina 100 TRÉGUA
Facada: Petrobras anuncia novo aumento nos preços da gasolina e diesel
CARCERE PRIVADO
Homem é preso por cárcere privado e violência doméstica após mulher pedir socorro com foto nas redes
NOVO AUXILIO
Presidente afirma Auxílio emergencial deve voltar em março, com parcelas de R$ 250
ALERTA EPIDEMIOLÓGICO
Covid-19: Brasil registra 1.541 mortes em 24 horas
MUNDO DO CRIME
Após morrer de Covid-19 no mesmo dia, casal tem oficina invadida e furtada
TRISTEZA NA FAMILIA
Pai e filho morrem de Covid-19 com poucas horas de diferença