Menu
SADER_FULL
segunda, 13 de julho de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Preço do café pode subir até em 25%

30 Jun 2010 - 13h38Por Conjuntura Online

A indústria de café não quer absorver sozinha a recente valorização dos preços da commodity no mercado internacional e também no doméstico.

As empresas já fazem cálculos para reajustar os preços do produto nas gôndolas dos supermercados, e o aumento poderá chegar aos consumidores já no início de julho ou seja, em menos de dez dias.

A expectativa é de que o repasse médio das torrefadoras fique em torno de 25%, mas o tamanho e o prazo dos ajustes serão feitos de acordo com a estratégia comercial de cada indústria. A justificativa para o provável reajuste é que apenas a matériaprima tem um peso próximo de 65% no valor do produto final.

E os preços do grão verde seguem em alta. Na semana passada, as cotações na bolsa de Nova York atingiram o maior patamar em 12 anos.

Na sextafeira, os contratos com entrega em setembro fecharam o dia cotados a US$ 1,689 por librapeso (US$ 225,2 por saca), uma modesta valorização inferior a 0,5%, mas que eleva os ganhos em junho para 24,4% na bolsa americana. Em comparação ao mesmo período do ano passado, o atual patamar é 40,5% superior.

"Essa não é uma valorização que reflete apenas a volatilidade do mercado. Quando altas desse tipo ocorrem, elas duram poucos dias.

A atual conjuntura do mercado mostra uma alta consistente dos preços da matériaprima nas últimas três semanas e as indústrias não têm condição de absorver todo esse impacto", afirma Nathan Herszkowicz, diretor executivo da Abic (Associação Brasileira das Indústrias de Café).

No mercado interno a situação não é diferente. Mesmo no início da safra e com perspectivas de um ano de grande oferta, os preços do café também acumulam ganhos. Na sextafeira, a saca foi negociada a R$ 315,16, segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada .

O resultado de sextafeira representou uma queda de 1% em comparação ao dia anterior, quando o indicador da entidade atingiu o nível mais alto desde junho de 2005. Ainda assim, os preços acumulam uma valorização de 11,3% em junho, de 15,7% em 2010 e de 27% nos últimos 12 meses.

Diante da alta nos preços tanto no mercado interno quanto no externo, as indústrias ainda esperam a retomada dos leilões dos estoques públicos.

Segundo estimativas da Abic, existem mais de 2,5 milhões de sacas em posse do governo, que poderiam ser disponibilizadas para as indústrias e aliviar a oferta restrita.

"Ainda não há um desabastecimento de café no mercado, mas, apesar dos atuais preços, já existem alguns sinais que as empresas relatam de dificuldades em se comprar o produto", afirma Herszkowicz, ao lembrar que o produtor tende a segurar ainda mais a oferta quando existe uma perspectiva de alta nas cotações.

Consumo

Em uma análise feita pela ABIC (Associação Brasileira da Indústria de Café), o café gourmet vem crescendo de forma significativa em seu volume de exportações, de forma a aumentar o seu crescimento em 15% a 20% da sua produção ao ano, sendo 90% destinada ao mercado externo.

Esse dado comprova a grande oportunidade que os empresários do ramo têm em mãos, já que diferentemente da cultura brasileira a cultura internacional existente perante o consumo desse produto é forte e tradicional.

O mercado norte americano é referencia de consumo desse produto, e surpreendentemente o Mercado Asiático representado pela explosão de consumo da China com suas províncias, que até pouco tempo não demonstrava interesse no consumo de café em seus momentos de prazer e descontração.

Além do volume de vendas que representa esse produto, outro fator que faz com que os empresários do ramo observem o café gourmet com olhos de investidor é o valor agregado embutido, tanto pela qualidade quanto pela forte cultura positiva que acompanha o marketing de "produto brasileiro".

Dessa forma a exportação de café gourmet representa a possibilidade de aumento do lucro. Já para os empresários com visão estratégica de mercado, é mais do que o aumento do lucro, a exportação de Café Gourmet representa a possibilidade de internacionalização da sua empresa, possibilitando, inclusive, um melhor posicionamento do composto de produtos destinados ao mercado interno.

O produtor de café que entrar nesse vantajoso mercado contribuirá também para que o Brasil saia do status de exportador de matéria prima ou commodities.

Esse é o passo que todos os exportadores hoje deveriam buscar, afinal, porque só exportar matéria prima sendo que é possível também exportar valor agregado? Essa é uma pergunta que o governo brasileiro vem buscando incessantemente fazer aos produtores brasileiros, afinal, poderia elevar os lucros com a segunda opção.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA CORONAVIRUS
Filho de ex-jogador famoso vende geleias e não vê o pai há nove anos
SOB INVESTIGAÇÃO
Maria Aldenir lutou com assassino, mas viu a filha ser morta com 24 facadas
AVANÇO DA PANDEMIA
Mais 903 casos e 33 mortes por coronavírus foram registrados em 24h em MT
BRASIL - 71.515 MORTES
Brasil tem 1.842.127 casos de Covid-19, aponta consórcio de veículos da imprensa em boletim das 8h
MAIS UM
Vírus com potencial pandêmico é detectado pela Fiocruz no Paraná
VÍTIMAS DE COVID-19
Mãe de médico morre horas após o filho e dois dias após o pai, vítimas da covid
VÍTIMA DE COVID-19
Covid tira de cena um dos últimos montadores do carro brasileiro
CD TRIBUTO AO PADRE ZEZINHO
No ano em Padre Zezinho faz 79 anos, Manoel Caires lança seu primeiro CD 'Tributo ao Padre Zezinho'
PAGAMENTO DO AUXILIO
Confira o calendário para saque em dinheiro do auxílio emergencial
AUXILIO EMERGENCIAL
Governo vai liberar mais 1,5 milhão de auxílios. Saiba como reclamar se o seu for negado