Menu
SADER_FULL
domingo, 14 de agosto de 2022
SADER_FULL
Busca
Brasil

Pouco comentado no Brasil, câncer no pênis pode levar a amputação

24 Ago 2010 - 06h29Por Folha Online

Pouco comentado no Brasil, o câncer de pênis atinge cerca de 2% da população masculina do país atualmente, segundo informações da Sociedade Brasileira de Urologia.

Associada a maus hábitos de higiene, a doença é bastante invasiva e alcança índices alarmantes nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, onde o índice chega perto de 10%.

De acordo com o urologista Alexandre Crippa, do Hospital das Clínicas da FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), em alguns países em desenvolvimento a incidência é ainda maior, afetando principalmente homens a partir dos 30 anos.

O Hospital das Clínicas recebe cerca de 80 pacientes com câncer no pênis por ano, de diversos Estados. Desse total, em 80% dos casos há necessidade de amputação do membro. O número preocupa pela gravidade e complexidade em que os casos chegam ao hospital, todos com urgência cirúrgica.

Os sintomas são facilmente identificados por parecer com uma úlcera e formar feridas no pênis. "A maioria dos pacientes não acredita que isso possa ser um câncer e demora a procurar ajuda médica, prejudicando o tratamento e a cura", explica o urologista.

Crippa ainda destaca que muitos homens optam pela automedicação. "O paciente pede ajuda a farmacêuticos e muitas vezes tratam com antibióticos e pomadas, por confundir os sintomas com os de doenças sexualmente transmissíveis. Apenas quando a medicação não faz efeito e os sintomas se agravam é que a pessoa procura ajuda médica", conta.

O especialista alerta que a fimose pode ser um fator de risco para a consolidação da doença, pois dificulta a higienização do pênis. "O rapaz que tem fimose sente dificuldades na limpeza e isso faz com que ele sofra agressões químicas. Ao longo do tempo, surgem microtraumas que podem desencadear o câncer."

TRATAMENTO

O tratamento é feito por meio de cirurgia, pois o câncer avança de maneira rápida e causa traumas que somente a intervenção cirúrgica pode reparar a tempo. Crippa acrescenta que a doença apresenta-se em estágio avançado em muitos casos, o que torna necessária a amputação total do órgão sexual.

Se tratado a tempo, o paciente sofre danos menores, que não o impedirão de ter uma vida sexual ativa.

Devido ao caráter de mutilação, o diagnóstico precoce é fundamental, pois evita grande parte do sofrimento e sequelas.

A prevenção é simples, "é necessária uma limpeza diária com água e sabão e com maior cuidado na região da glande", completa o urologista.

Leia Também

ACIDENTE FATAL
Motociclista de 27 anos bate na traseira de trator e morre em vicinal
TRAGEDIA NA RODOVIA
Sete pessoas morrem e três ficam feridas em acidente entre caminhão e van
AUXILIO POPULAÇÃO
Governo libera empréstimo consignado para beneficiários do Auxílio Brasil
TRAGÉDIA
Carro explode durante abastecimento e amputa pernas de frentista
NOITE DE TERROR
Moradores relatam medo vivido em confronto com oito mortos
ACIDENTE DE TRABALHO FATAL
Trabalhador morre soterrado ao fazer limpeza em silo de grãos
AGRESSÃO NA ESCOLA
Mulher invade escola e espanca aluna a pauladas
COVID NO BRASIL
Covid-19: Brasil ultrapassa o número de 680 mil mortos pela doença
AUXÍLIO BRASIL AUXILIO POPULAÇÃO
Auxílio Brasil de R$ 600 e vale-gás saem hoje para mais um grupo
BRASIL + POBRE
Estudo mostra alta da pobreza em regiões metropolitanas