Menu
SADER_FULL
sexta, 5 de março de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Brasil

Portugal vai insistir em meta mais frouxa para déficit fiscal em 2014

11 Set 2013 - 14h29Por Agência Brasil

O governo português vai insistir na próxima semana em um déficit fiscal maior do que o estabelecido pelos credores internacionais para o próximo ano. O Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco Central Europeu (BCE) e a Comissão Europeia, que formam a Troika, estarão em Lisboa e querem que a diferença entre a receita e a despesa do Estado português não ultrapasse os 4% do Produto Interno Bruto (PIB). O governo quer que a meta seja meio ponto percentual maior (4,5%).

A diferença, que depende do valor do PIB, pode representar um esforço maior para cortar gastos, com possível demissão de professores e a unificação das regras de aposentadoria para assalariados privados e servidores públicos. Os movimentos sindicais portugueses e os partidos de oposição criticam tais medidas.

A insistência em uma meta mais frouxa pode representar uma flexibilização do governo português com a Troika na condução das negociações pelo vice-primeiro-ministro Paulo Portas, à frente do Programa de Assistência Econômica e Financeira desde julho. Na ocasião, o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho fez uma reforma ministerial e aceitou a demissão do ex-ministro das Finanças Vitor Gaspar.

"O Governo continua a pensar que a meta de 4,5% [para o déficit de 2014] é a mais adequada", defendeu Portas nesta manhã, durante audiência na comissão parlamentar da Assembleia da República, que acompanha o andamento do plano de ajuste acordado com a Troika.

Segundo a imprensa lusitana, Portas assinalou o interesse em ter uma meta mais branda durante encontros que teve na semana passada com os credores de Portugal em Bruxelas (Bélgica), Frankfurt (Alemanha) e Washington (EUA). O assunto será objeto da nova rodada de avaliações que a Troika inicia na próxima segunda-feira (16) em Lisboa.

A aparente mudança na negociação pelo governo ocorre pouco antes das eleições autárquicas (municipais) marcadas para 29 de setembro. Além de eventuais razões eleitorais, ter a meta de déficit fiscal mais alargada pode ser estratégico para o governo, especialmente após o Tribunal Constitucional ter vetado o programa de mobilidade de funcionários públicos que pretendia desligar 30 mil servidores.

O problema de déficit fiscal é considerado estrutural e é uma das principais razões para a dívida pública ultrapassar os 130% do PIB, segundo o Banco de Portugal (Banco Central).

Ao argumentar razões para a Troika ter mais tolerância, a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, disse hoje na Assembleia da República que a dívida portuguesa não é de 131,4% do PIB, mas sim de 118%. “A diferença é o dinheiro que temos, que é nosso e que usaremos para fazer face aos nossos compromissos. Isso terá reflexo na razão da dívida”, calculou.

O governo tenta a revisão das metas de déficit fiscal após ter interrompido a trajetória de 30 meses de recessão. Apesar do PIB ter crescido 1,1% no segundo trimestre de 2013, ainda há cerca de 900 mil pessoas desempregadas em Portugal.

Hoje (11) em discurso anual do Estado da União no Parlamento Europeu (Bruxelas), o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso (ex-premiê português), reconheceu que alguma recuperação econômica já pode estar ocorrendo na Europa e que os países mais vulneráveis (como Portugal) começam a ter resultados positivos. Ele, no entanto, ressaltou que a situação é “ainda frágil”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DISPARO ACIDENTAL
Assessor em fazenda do cantor Leonardo morre vitima de tiro acidental
VIOLENCIA DOMESTICA
Vítima de violência doméstica escreve bilhete com pedido SOS em agência bancária: 'Ele tá ai fora'
ALERTA AO CPF
Confira se o seu CPF foi usado de maneira IRREGULAR por desconhecidos
VAMOS PREVENIR
Igreja Adventista vota documento com orientações sobre cultos e reuniões
ALERTA AOS JOVENS
O que está por trás da alta das internações de jovens com covid
BRASIL EM PÂNICO
Brasil tem novo recorde de mortes por covid em 24 horas: 1.910
100 TRÉGUA
Brasil registra 1.726 mortes em 24 horas e bate novo recorde na pandemia; total chega a 257,5 mil
EXECUÇÃO NA MADRUGADA
Dona de bar é degolada e corpo encontrado nos fundos do estabelecimento
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Filho de fazendeiro reclama de dor anal e mãe descobre estupro cometido por funcionário
BOA NOTICIA
Governo zera PIS e Cofins do diesel e do gás de cozinha