Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 3 de agosto de 2021
Busca
Brasil

População exige Ficha Limpa dos candidatos, diz Moka

30 Jun 2010 - 17h32Por MS Notícias

Mau uso do dinheiro público poderá impugnar definitivamente a candidatura de muitos políticos em todo o país, incluindo Mato Grosso do Sul. Desde o dia 17, está em vigor a lei complementar 135/210 - a Lei da Ficha Limpa, que obriga a inelegibilidade de pessoas julgadas criminosas por um colegiado de juízes. A uma semana do registro das candidaturas a medida pegou muitos partidos e políticos de surpresa. A obrigatoriedade de escolher representantes que tenham um passado ‘limpo’ é reflexo dos anseios da população; e a medida não encontrou grande resistência dos políticos em Mato Grosso do Sul, já que sete dos oito deputados federais do Estado foram favoráveis a proposição.

O deputado federal, candidato ao Senado pelo PMDB, Waldemir Moka, disse que a decisão do Supremo Tribunal Federal (TSE) foi acertada e este era um “clamor” da população, pois, do contrário, poderia decepcionar uma multidão que esperava pela implantação da regra.

Ele também ressaltou que o mesmo vale para a aplicação do Ficha Limpa já em 2010. “Se não valesse para esse ano, ficaria o sentimento de trabalho frustrado”, afirmou.
Além disso, Moka acredita que a validade da regra era esperada, desde o inicio, pelo apelo popular. Da mesma opinião partilham o deputado estadual Reinaldo Azambuja (PSDB) e o deputado federal Geraldo Resende (PMDB), para eles é o reflexo da vontade da população quem vem sendo refletida; é desta maneira que eles afirmam acreditar que a população poderá fazer uma avaliação dos candidatos em quem estão votando.

Com a aplicação da lei, quase cinco mil ocupantes de cargos públicos podem ser impedidos de disputar as eleições este ano. Todos tiveram as contas rejeitadas por mau uso do dinheiro público. A nova lei proíbe a candidatura de políticos nessa situação e a Justiça Eleitoral vai julgar caso a caso.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso do Sul (OAB-MS), Leonardo Avelino Duarte, faz alerta aos partidos. “Com o respeito aos estatutos e programas partidários, bem como aos direitos constitucionais da ampla defesa, peço que o partido político não ceda sua legenda para candidatos e/ou políticos que estejam enquadrados em tal vedação. A sociedade brasileira acompanhou com atenção as discussões e a sanção da lei, que teve confirmada sua vigência para o pleito deste ano pelo TSE [Tribunal Superior Eleitoral]. O Brasil segue passos firmes na ampliação democrática e no fortalecimento de suas instituições”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSIDADES
Silvio Santos volta aos programas inéditos e comenta Faustão na Band: "coitado"
AUXILIO POPULAÇÃO
Trabalhadores nascidos em janeiro podem sacar auxílio emergencial
CÃOPAINHA
Cachorro toca campainha após ficar trancado fora de casa
SONHO INTERROMPIDO
Ultimo ensaio fotográfico minutos antes de médico sofrer choque e morrer nas vésperas de casamento
OLIMPÍADA
Rebeca é prata e faz história na ginástica olímpica em Tóquio
FENÔMENO DA NATUREZA
Chuva de meteoros será visível na madrugada de quinta para sexta em todo Brasil
A CASA CAIU
Mulheres se unem e surram "valentão" flagrado agredindo ex no meio da rua
CRISE HÍDRICA
Novas fontes preparam MS para a crise hídrica, ressalta governador
ABAIXO DE ZERO
Com -8,6°C, SC registra a menor temperatura do Brasil em 2021, diz Inmet
COVID-19
Em dia de aumento de casos Brasil tem 1.333 óbitos por Covid - 19 nas últimas 24 horas