Menu
SADER_FULL
quarta, 3 de junho de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

PFL opta pela sigla DEM para Partido Democrata

15 Mar 2007 - 08h52
O futuro Partido Democrata - novo nome do PFL - não quer ser reconhecido pela sigla PD. Já que a lei permite abreviar o nome do partido, os neodemocratas vão usar a marca "DEM" para se identificar a partir do dia 28 deste mês, quando a mudança de sigla  será oficializada.

A iniciativa é mais um passo no sentido de reforçar o vínculo simbólico entre o partido e a defesa da democracia - pesquisas internas mostraram que isso pega bem junto ao eleitorado. As mesmas pesquisas mostraram que o nome Partido da Frente Liberal provocava resistências, já que o termo "liberal" tem alta carga negativa. Não foi por outro motivo que, no segundo turno da eleição presidencial, o PT adotou a bem-sucedida estratégia de reforçar os ataques ao "neoliberalismo" e às privatizações.

No dia 28, Jorge Bornhausen passará o comando do partido para Rodrigo Maia (DEM-RJ), filho do prefeito do Rio, Cesar Maia. Gilberto Kassab - que herdou a Prefeitura de São Paulo e um Orçamento de mais de R$ 20 bilhões com a renúncia do tucano José Serra, atual governador do Estado - vai galgar vários degraus na escala partidária: deve presidir o Conselho Político do DEM.

Bornhausen não vai se afastar de todo. Como presidente da Fundação Liberdade e Cidadania - novo nome do Instituto Tancredo Neves, "think tank" pefelista -, ele manterá influência nos rumos do partido, que ganhará um novo estatuto e uma nova carta de princípios.

A proposta do alterar a sigla surgiu após o resultado eleitoral do ano passado, o pior da história para os pefelistas.

Criado em 1985 como dissidência do governista PDS (sucessor da Arena) para apoiar Tancredo, o PFL embarcou no governo José Sarney e ajudou o então presidente a conquistar um quinto ano de mandato - na época, o pefelista Antonio Carlos Magalhães, então ministro das Comunicações, foi acusado de distribuir concessões de rádio e TV em troca de votos no Congresso.

Fernando Collor se elegeu em 1990 após eleger Sarney como alvo principal, o que não impediu os pefelistas de aderirem a seu governo. Após o impeachment de Collor, o partido ganhou cargos no governo Itamar Franco. A seguir, integrou a aliança que elegeu o tucano Fernando Henrique Cardoso em 1994 e em 1998. Só a partir de 2003, com a posse de Luiz Inácio Lula da Silva, o partido experimentou a ida para a oposição e a perda de controle sobre verbas federais.

Em 1998, o PFL elegeu seis governadores. Em 2002, o número diminuiu para quatro. Em 2006, o único pefelista eleito foi José Roberto Arruda (um ex-tucano), no Distrito Federal - as derrotas em tradicionais redutos como Bahia e Maranhão provocaram  uma crise no partido, que também viu encolher sua bancada na Câmara dos Deputados.

 

 

Terra Magazine

Deixe seu Comentário

Leia Também

COISA MEDONHA
Mulher é desenterrada e estuprada um dia após ser sepultada
DOURADOS - NOVO EPICENTRO COVID-19
Dourados é novo epicentro do coronavírus em MS com mais de 300 casos confirmados
AUXÍLIO EMERGENCIAL
Caixa LIBERA 2ª parcela do auxílio de R$ 600 em contas dos beneficiários, veja os meses
ABSURDO
Médica relata ter sofrido agressões por parte de frequentadores de 'festas de corona'
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Menino de 9 anos, acidentalmente mata irmã de 7 anos com espingarda
TRAGEDIA NA RODOVIA
Mulher gravida e marido morrem e criança fica ferida em acidente trágico
PANDEMIA CORONAVIROS
Vai ser ''um massacre'', diz ex-diretor da Saúde sobre flexibilizar isolamento
BOA NOTICIA
Bolsonaro diz que auxilio emergencial pode ter quarta parcela, mas pagando menos
PRAZO MÁXIMO
Acordo prevê máximo de 20 dias para análise de auxílio emergencial
FÁTIMA DO SUL - BOLETIM CORONAVÍRUS
BOLETIM: Fátima do Sul tem mais 04 casos confirmados, sobe para 69 e tem 12 pacientes recuperados