Menu
SADER_FULL
sábado, 15 de maio de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Brasil

PFL abrirá processo de expulsão de ACM

14 Set 2004 - 13h06
O PFL abrirá um processo de expulsão do senador Antônio Carlos Magalhães (BA) do partido nos próximos dias. O motivo seria o fato de o senador ter articulado o jantar realizado na noite de ontem entre seis senadores pefelistas (ele mesmo estava entre os presentes) e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O processo não inclui os outros cinco senadores que participaram do jantar.

A proposta é do deputado federal Onyx Lorenzoni (PFL-RS), candidato a prefeito de Porto Alegre. O pedido já foi aceito pela presidência do PFL e foi feito com base na resolução do partido editada pela Executiva Nacional em outubro de 2002, situando o PFL na oposição ao governo Lula.

O jantar patrocinado pelo presidente Lula ontem teve a intenção de levar parte dos tucanos a apoiar os projetos do governo federal no Senado, onde a base aliada não é maioria. "Ele coordenou o processo político da reunião de ontem. O encontro só ocorreu porque houve a articulação do senador ACM", justificou Lorenzoni.

O presidente do partido, senador Jorge Bornhausen (SC), informou que vai indicar um relator para que ACM seja intimado a se defender no processo. Bornhausen acusa ACM de oferecer apoio ao governo e aceitar uma aproximação com Lula. O senador acredita que ACM está descumprindo resolução da executiva. Bornhausen vai presidir o processo de expulsão de ACM. Após instaurado o processo, ACM tem até oito dias para apresentar defesa.

Bornhausen salientou que tanto ACM quanto os demais que estiveram no jantar feriram o estatuto do partido. "O jantar de ontem retrata a lastimável realidade da política brasileira. De um lado o comandante José Dirceu e seus comandados, o presidente Lula e o ministro Aldo Rebelo, praticando o ato explícito de cooptação partidária. E de outro, o senador ACM oferecendo adesão", ponderou. "Do ponto de vista do PFL, nós temos que cumprir com a resolução unânime da executiva do partido, no sentido de fazer oposição", complementou.

Além de ACM, participaram do jantar os senadores do PFL Cesar Borges e Mário Tourinho (Bahia), Edson Lobão e Roseana Sarney (Maranhão), João Ribeiro (Tocantins) e do PSDB, Eduardo Siqueira Campos (Tocantins). O senadores do PFL Paulo Otávio(DF) e Romeu Tuma (SP), que constavam da lista de convidados, não compareceram ao jantar.

Ao final do jantar, ACM declarou que "essas conversas são muito boas e servem para aproximar os senadores e o governo. Vejo esse tipo de diálogo como uma coisa indispensável para o País, porque você não pode resolver problemas com facções." No entanto, para ACM, a presença dos senadores oposicionistas no jantar não significa apoio certo ao governo.

 

Terra Redação

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada