Menu
SADER_FULL
segunda, 21 de junho de 2021
Busca
CONTRABANDO DE ARMAS

PF identifica 17 pontos de entrada de armas ilegais no Brasil

27 Out 2009 - 07h25Por Folha Online

Por R$ 60 mil, uma metralhadora antiaérea, capaz de derrubar helicópteros, comprada pelas facções criminosas, percorre até 2.500 km em rodovias brasileiras até chegar às favelas cariocas. De acordo com a polícia, as peças do arsenal do tráfico saem principalmente do Paraguai e da Bolívia.

As mais conhecidas começam no Brasil pela cidade de Corumbá (MS), com a entrada feita de barco pelo rio Paraguai, a partir da Bolívia; em Foz do Iguaçu e Guaíra (PR), pelo Paraguai; e por Rondônia, na fronteira com a Bolívia.

De acordo com a PF (Polícia Federal), há no Brasil 17 pontos de entrada de armas nas fronteiras com Peru, Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai.

Entre janeiro de 2007 e agosto deste ano, 754 fuzis, metralhadoras e submetralhadoras --sendo 39 antiaéreas-- foram apreendidas pela polícia do Rio, de acordo com o ISP (Instituto de Segurança Pública). O arsenal representa 3% das armas apreendidas pela polícia no Rio. A estimativa é que desde 2000 a polícia retirou 3.500 armas de guerra do tráfico.

As armas pesadas começaram a chegar ao Rio no final da década de 80, com a venda de cocaína nos morros, mais lucrativa do que a maconha. O Estado acompanhou a "corrida armamentista".

Em 95, a polícia comprou o primeiro lote de fuzis. Nos últimos dois anos, o governo empenhou ao menos R$ 27,5 milhões do orçamento na compra de armas, aeronaves e cabines blindadas, segundo dados do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ).

"Se não tivermos paridade em armamento, não vamos fazer frente às armas que os traficantes têm", diz o subchefe da Polícia Civil do Rio, delegado Carlos Oliveira.

As armas contrabandeadas chegam em carros de passeio, caminhonetes e ônibus de linhas regulares interestaduais. O "mula" (condutor da carga) geralmente leva até dez armas pesadas, pistolas e munição. Elas ficam escondidas em compartimentos dos veículos.

Grampo da Polícia Civil mostra Antônio Gonçalves, o Toni, acusado de negociar armas com traficantes, intermediando a venda de fuzis e de metralhadoras com criminosos do Comando Vermelho e um homem na Bolívia.

Ele comprou dez fuzis e dez pistolas a US$ 86 mil (R$ 147 mil). O material é repassado aos poucos para traficantes por cerca de R$ 500 mil.

Toni também trouxe uma metralhadora .30. Segundo a polícia, revendeu-a por R$ 60 mil. Sua rota passou pelas cidades de Corumbá (MS), Campo Grande (MS), Caldas Novas (GO) e Uberlândia (MG), antes de chegar ao Rio. A arma percorreu 2.500 km até ser entregue a traficantes do complexo do Alemão (zona norte).

"Temos 16 mil km de fronteira seca. A questão geográfica é um complicador. O tráfico de armas é formiguinha, aos poucos", diz Rafael Floriani, delegado da Divisão de Repressão ao Tráfico de Armas da PF.

Segundo policiais e pesquisadores, os traficantes se armam principalmente para defender o território dos ataques da facção inimiga. Chefes do tráfico trocam entre si fuzis e metralhadoras para invasões como na semana passada, no morro dos Macacos. Quem perde um fuzil pode morrer. Oliveira estima que haja 60 fuzis no complexo do Alemão, reduto do Comando Vermelho.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Policial
Criança de 6 anos sofre trauma de crânio após cair de atração no Beto Carrero World
DOSE ÚNICA
Avião com 1,5 milhão de doses da Janssen chega amanhã, diz ministro
REAÇÃO CERTEIRA
Mulher flagra filha sofrendo estupro e esfaqueia pedófilo
VIOLENCIA DOMESTICA
Menina de 12 anos furta bisavô e leva 10 chibatadas da mãe por ordem do CV
MILIONÁRIO
Aposta única fatura prêmio de R$ 7 milhões da Mega-Sena
AUXILIO POPULAÇÃO
Caixa paga hoje 3ª parcela do auxílio emergencial para nascidos em março
LUTO NA MÚSICA
Cantora gospel que defendia tratamento precoce morre de Covid-19 após ter os pulmões comprometidos
VIDEO
Cliente carrega mangueira sem perceber e bomba pega fogo em posto de combustível de Foz do Iguaçu
AÇÕES DO GOVERNO MS
Reinaldo Azambuja propõe projeto com Itaipu para combater assoreamento nos rios Iguatemi e Amambai
COPA X VIRUS
'Desse jeito, o vírus vai levantar a taça', diz deputado após 52 infectados na Copa América