Menu
SADER_FULL
segunda, 26 de julho de 2021
Busca
Brasil

PDT homologa candidatura de Dagoberto dia 27 mesmo diante risco

17 Jun 2010 - 06h11Por Conjuntura Online

Em Mato Grosso do Sul, o único político que corre risco de ficar inelegível por causa da lei Ficha Limpa é o deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT).

Dagoberto poderá ficar impedido de concorrer às eleições para o Senado, uma vez que foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Estado por improbidade administrativa quando era diretor-presidente do Detran/MS (Departamento Nacional de Transito) na gestão do governador Zeca do PT.

O presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Ophir Cavalcante, garante que a lei atinge qualquer político condenado por um órgão colegiado da Justiça, mesmo que a condenação tenha ocorrido antes da lei ser sancionada pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva.

A explicação do presidente foi feita no mesmo dia em que foi publicada uma reportagem do jornal O Globo, em que os presidentes dos principais Tribunais Regionais Eleitorais afirmam que a lei abrange condenações anteriores.

"Seria surreal se a lei não alcançasse os já condenados, pois ela veio para moralizar, para estabelecer uma nova ordem", disse.

Segundo ele, os partidos têm que aproveitar essa "onda e surfar" nela para limpar os seus quadros dos políticos que têm ficha suja.

"Ficou muito claro para toda a sociedade brasileira que o Brasil inaugura um novo momento na política brasileira, em que a ética prevalece sobre todos os demais aspectos. Nós precisamos ter em consideração, agora, é que essa lei tem um efeito pedagógico, um efeito didático e vai apontar para que os partidos também tenham critérios mais rigorosos na escolha de seus candidatos", disse.

Segundo Ophir, a nova lei representa "uma vitória no combate à corrupção no mundo político".

Disputa

Dagoberto disputa a vaga na chapa de Zeca do PT, juntamente com o senador Delcídio do Amaral (PT). Outra alternativa para o Senado é o deputado federal Waldemir Moka (PMDB).

Questionado constantemente pela imprensa da Capital, o deputado se diz tranquilo em relação sua candidatura ao Senado. Segundo ele, o fato de o TSE (Tribunal Superior Eleitoral ) ter decidido no dia 10 deste mês, que a lei Ficha Limpa vale para este ano, não é prejudicial a sua candidatura, cuja oficialização acontecerá no dia 27, durante a realização da convenção regional do PDT.

Ele esclarece que está recorrendo ao STF (Supremo Tribunal Federal ), ao STJ (Superior Tribunal de Justiça ) e ao próprio Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul para derrubar a decisão do TJ-MS, que o condenou ao pagamento de multa no valor de R$ 1,3 milhão por suposto uso de propaganda institucional para promoção pessoal.

“O meu objetivo foi o de informar a população sobre a implantação da Lei Seca, sua eficácia e como funcionaria, por isso, em minha opinião, não fiz nada de errado. O uso de foto foi necessário no informativo para reforçar que a Câmara de Vereadores da Capital estava decidindo algo importante para a cidade”, enfatizou.

Por considerar que a pena aplicada pelo TJ foi injusta e, ainda, desproporcional ao dano, Dagoberto protocolou recurso extraordinário no STF e recurso especial no STJ.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Foto: Mycchel Legnaghi - São Joaquim online PREVISÃO DO TEMPO
Maior frio do ano? Temperaturas negativas, geada e até neve!
TRABALHO ESCRAVO
Aliciamento de crianças: família de líderes religiosos é presa em operação da polícia
ATO OBSCENO
Homem é detido após entrar nu em culto evangélico
TRAIÇÃO
Vídeo: Mulher flagra marido com travesti dentro do carro e 'pancadaria come solta'
COVID 19 NO BRASIL
Brasil tem 1 órfão por covid a cada 5 minutos: 'Pensamos que crianças não são afetadas, mas sim
SELEÇÃO OLIMPICA
Brasil ameaça passeio em estreia contra a Alemanha, mas desperdiça chance de goleada histórica
TRAGÉDIA NO RIO
Barco vira com nove pessoas matando 3 crianças e 3 adultos
REVOLTA
Mulher tem parte do rosto destruído por ataque de pitbull sem coleira; assista
FLAGRA
Vigilante descobre traição e mata amante da esposa com 3 tiros
SOB INVESTIGAÇÃO
"Te achei!", gritou suspeito antes de matar jovem de 16 anos com 10 tiros