Menu
SADER_FULL
terça, 26 de outubro de 2021
Busca
Brasil

Paraguai quer expulsar da fronteira agricultor brasileiro

1 Jul 2006 - 10h23

A exemplo do governo da Bolívia, a Câmara de Deputados do Paraguai está investigando o cultivo ilegal de terras na faixa de fronteira por agricultores brasileiros. A investigação foi aprovada na sessão de quinta-feira a pedido do deputado colorado Héctor González e deverá estar concluída em duas semanas.

A lei paraguaia determina que a linha onde estão fixados os marcos divisórios entre os dois países não pode ser ocupada por estrangeiros. No entanto, centenas de agricultores brasileiros, a maioria oriundos de Mato Grosso do Sul e do Paraná, desprezam essa determinação.

Segundo a imprensa paraguaia, nos 100 quilômetros que separam Capitán Bado de Pedro Juan Caballero, no Estado de Canindeyú – fronteira com o Brasil na região de Mato Grosso do Sul – toda a linha de fronteira é cultivada por brasileiros. Este é apenas um dos trechos apontados e, de acordo com os deputados, toda a linha de fronteira está ocupada por agricultores brasileiros.

Por isso eles vão exigir, assim que concluírem a investigação, que os brasileiros sejam removidos da região. A ocupação da linha de fronteira não é um fato recente e ocorre há décadas, mas nos últimos meses a imprensa paraguaia tem denunciado com mais insistência a ação dos agricultores brasileiros no território do país vizinho.

As denúncias coincidiram com algumas ações do presidente da Bolívia, Evo Morales, que ordenou a expulsão dos colonos brasileiros que vivem ilegalmente naquele país e que exploram uma faixa de 50 quilômetros da linha de fronteira. A imprensa paraguaia tem também criticado com mais ênfase o tratado de Itaipu, exigindo que o presidente Nicanor Duarte Frutos o renegocie em termos mais favoráveis ao Paraguai, a exemplo do que fez Morales em relação às reservas de petróleo e gás.

A ocupação brasileira teve início há meio século e duas gerações de "brasiguaios" – como são conhecidos os brasileiros e os descendentes que moram no Paraguai – fixaram raízes profundas naquele país. Nos Estados fronteiriços com o Brasil, como Canindeyú e Alto Paraná, eles chegam a ser maioria em algumas localidades.

O Ministério Público de Salto Del Guayrá, capital de Canindeyú, deverá denunciar nos próximos dias a utilização de cerca de 30 reservas indígenas por agricultores brasileiros. Numa delas, Bajada Guazú, em La Paloma, habitada por avás-guarani, os irmãos Ricardi, agricultores tradicionais da região, são acusados de pagar o equivalente a US$ 60 mensais para arrendar os 600 hectares da reserva, na qual cultivam soja e trigo. O caso está sendo investigado pela promotora Gladys Concepción Vallejos.

 

 

Mídia Max

Leia Também

LIÇÕES DA BÍBLIA
Amem o estrangeiro
LIÇÕES DA BÍBLIA
Circuncidem seu coração
OLIMPÍADA 2024
Atletas de MS terão bolsas de até R$ 7 mil para competir nos jogos olímpicos
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS