Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 28 de maio de 2024
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Busca
Brasil

Para 28,5% dos brasileiros, serviços do SUS são ruins ou muito ruins

9 Fev 2011 - 12h05Por Uol

Na opinião de 28,9% dos brasileiros, os serviços prestados pelo SUS (Sistema Único de Saúde) são bons ou muito bons. Proporção semelhante (28,5%) acredita que esses serviços são ruins ou muito ruins, e 42,6% os consideraram regulares. Os dados são do Sistema de Indicadores de Percepção Social (Sips), divulgado nesta quarta-feira (9) pelo Instituto de
Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

A pesquisa contou com questionários respondidos por 2.773 pessoas. Os resultados indicam que, entre os entrevistados que já utilizaram o SUS (ou acompanharam alguém que utilizou) nos 12 meses anteriores à pesquisa, a visão sobre os serviços é melhor - 30,4% o consideram bom ou muito bom. Já entre os que não têm experiência com a rede pública, a avaliação foi positiva para 19,2%.

A opinião a respeito da qualidade dos serviços públicos de saúde também muda conforme a percepção do entrevistado sobre a própria saúde. Os serviços do SUS foram qualificados como muito bons ou bons por 29,1% dos que avaliaram seu estado de saúde como positivo. Entre aqueles que têm avaliação negativa de seu estado, o percentual caiu para 25,2%.

Pior avaliação

O atendimento prestado em centros e/ou postos de saúde e o atendimento de urgência ou emergência foram os serviços com as menores proporções de qualificações positivas.

O atendimento em centros e/ou postos de saúde recebeu a maior proporção de qualificações como ruim ou muito ruim (31,1%), dentre os serviços pesquisados.

Dentre os entrevistados que utilizaram ou acompanharam alguém de sua família em um atendimento de urgência ou emergência, 48,1% consideraram que o atendimento é muito bom ou bom, e 31,4% qualificaram o atendimento como ruim ou muito ruim.

Serviços do SUS avaliados como ruins ou muito ruins (por região)

Sul Sudeste Centro-Oeste Nordeste Norte
1º) Urgência e emergência (34,4%) Centros e/ou postos de saúde (28,3%) Urgência e emergência (34,9%) Urgência e emergência (36,1%) Centros e/ou postos de saúde (42,2%)
2º) Centros e/ou postos de saúde (27,7%) Urgência e emergência (25,9%) Centros e/ou postos de saúde (29,1%) Centros e/ou postos de saúde (33,6%) Urgência e emergência (36,1%)
3º) Médicos especialistas (26,5%) Médicos especialistas (14,4%) Médicos especialistas (16,9%) Médicos especialistas (20,7%) Médicos especialistas (19,9%)
4º) Distribuição de medicamentos (14,0%) Distribuição de medicamentos (10,9%) Distribuição de medicamentos (4,0%) Distribuição de medicamentos (11,7%) Saúde da Família (13,6%)
5º) Saúde da Família (7,1%) Saúde da Família (5,8%) Saúde da Família (3,9%) Saúde da Família (2,6%) Distribuição de medicamentos (12,6%)

Melhor avaliação

Para 80,7% dos entrevistados que tiveram seu domicílio visitado por algum membro da Equipe de Saúde da Família (ESF), o atendimento prestado é muito bom ou bom. Apenas 5,7% dos entrevistados opinaram que esse atendimento é ruim ou muito ruim. Vale destacar que a proporção de entrevistados cujo domicílio foi visitado por algum membro da ESF foi de cerca de 32%.

A distribuição gratuita de medicamentos no SUS foi qualificada como muito boa ou boa por 69,6% dos entrevistados e como ruim ou muito ruim por 11% deles.

O atendimento por médico especialista no SUS foi o terceiro serviço com maior proporção de opiniões positivas: 60,6% dos entrevistados que utilizaram ou acompanharam alguém que utilizou opinaram que esse serviço é muito bom ou bom, enquanto 18,8% o consideraram ruim ou muito ruim.

Problemas apontados

Os entrevistados indicaram, a partir de alternativas pré-definidas, quais os dois principais problemas do SUS. A falta de médicos foi a alternativa com maior proporção de indicações, correspondendo a 58,1% das respostas. Problemas relativos ao tempo de espera para conseguir atendimento nos postos/centros de saúde ou nos hospitais aparece em seguida (35,4%), assim como a demora para conseguir uma consulta com especialistas (33,8%).

Planos de saúde

Dentre os entrevistados que têm ou tiveram plano de saúde, as principais razões citadas por eles para aderirem ao segmento da saúde suplementar foram: maior rapidez para realizar consulta ou exame (40,0%); ser um benefício fornecido gratuitamente pelo empregador (29,2%); a maior liberdade para escolha do médico que irá atendê-lo (16,9%).

Na percepção dos entrevistados que têm ou tiveram plano de saúde, o principal problema desse segmento é o preço da mensalidade dos planos/seguros de saúde (39,8%). Essa avaliação é seguida pela indicação do problema “algumas doenças ou procedimentos não são cobertos pelo plano” (35,7%).

Participe do nosso canal no WhatsApp

Clique no botão abaixo para se juntar ao nosso novo canal do WhatsApp e ficar por dentro das últimas notícias.

Participar

Leia Também

Fotos: PMMS/ BMMS BOMBEIROS DE MS NO RS
Com atuação de equipes dos Bombeiros, PM e Defesa Civil, MS continua a apoiar o Rio Grande do Sul
Xadrez MS
Enxadristas representam Mato Grosso do Sul em competição nacional de base em Natal
Saúde Delicada
O Ator Tony Ramos passa por cirurgia de emergência na cabeça para tratar sangramento cerebral no RJ
Ajude o RS
Culturamense registra a devastação de Lageado durante entrega de 21 toneladas de donativos
Fotos: Saul Schramm BOMBEIROS DE MS EM AÇÃO NO PANTANAL
Para combater incêndios florestais no Pantanal, Governo de MS instala bases dos bombeiros em 13 área

Mais Lidas

FÁTIMA DO SUL EM DESTAQUE
Conhecendo Fátima do Sul com Leandro Santos: Uma viagem cultural pelo Favo de Mel do MS
Evento
Confira as duas galerias de fotos da premiação do Mês das Mães no Mercado Julifran
FATIMASSULENSE EM DESTAQUE
Fatimassulense é pódio em mais um rodeio em touros, agora na Expotac 2024
O caso será investigado pelo SIG / Divulgação/JP NewsCRIME EM MS
Homem é executado a tiros dentro de casa em MS
Fotos: Washington Lima / Fátima Em DiaFÁTIMA DO SUL - REFORMA ILHA DO SOL
Prefeita Ilda Salgado Machado inicia reforma transformadora da Ilha do Sol em Fátima do Sul, ASSISTA