Menu
SADER_FULL
quarta, 22 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Pais podem ser responsáveis por filhos obesos

11 Jan 2011 - 10h14Por

Tal pai, tal filho. Esse lema descreve como a família tem um papel importante no avanço de uma doença que, em 30 anos, triplicou sua incidência na infância e juventude: a obesidade. Quando as crianças vivem num ambiente onde há desatenção com a qualidade dos alimentos ingeridos e o sedentarismo, as chances de que elas se tornem obesas na idade adulta aumentam em 33,3%. É verdade que a patologia está também relacionada à genética e ao metabolismo. Mas, hoje, os especialistas acreditam que o sucesso da prevenção e do tratamento desse mal depende de mudanças no estilo de vida da criança e, principalmente, do seu núcleo familiar.

O fator família passou a ser relevante porque, na última década, estudos internacionais mostraram que 80% das crianças que estavam acima do peso entre 10 e 15 anos tornaram-se obesas aos 25 anos.

Uma recente pesquisa apresentada na XI Conferência Internacional de Obesidade, em Estocolmo (Suécia), por Melinda Sothern, professora de Saúde Pública da Universidade de Nova Orleans (EUA), mostrou que a Síndrome Metabólica (desequilíbrio nos níveis de glicemia, colesterol e pressão arterial) é mais comum entre filhos de mulheres que engordaram muito na gravidez, ou em crianças que nasceram com peso acima da média, bem como entre aquelas com peso inferior, mas que são sedentárias.

O peso dos meninos

No Brasil, a pesquisadora Maria Aparecida Zanetti Passos, do Centro de Atendimento e Apoio ao Adolescente da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), conduziu uma pesquisa entre adolescentes na faixa dos 10 aos 15 anos. Os resultados indicam que a obesidade atinge uma população cada vez mais jovem, e é grande (25,56%) o número de adolescentes brasileiros com índice de massa corpórea (IMC) acima de 25 (IMC entre 25 e 30 é igual a sobrepeso; a partir de 30, obesidade). E os meninos são a maioria.

O Ministério da Saúde não está alheio a esses resultados e, por isso, tem monitorado o avanço da doença entre adultos. Em 2009, a Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) detectou que, em três anos, os índices de sobrepeso e obesidade aumentaram de 42,7% para 46,6%.

Causas complexas

Todos esses dados trouxeram à luz a conexão existente entre hábitos familiares e obesidade na infância, que hoje atinge 22 milhões de crianças em todo o mundo. Além da Síndrome Metabólica, as consequências desse fenômeno são o aumento de doenças como diabetes do tipo 2, hipertensão, problemas cardiovasculares e apneia do sono.

Na opinião do pediatra e nutrólogo Mauro Fisberg, coordenador clínico do Setor de Medicina do Adolescente da Unifesp, a progressão desordenada da obesidade na juventude possui causas complexas, que incluem a carga genética de cada um, passam pela alimentação incorreta, e ainda contam com fatores emocionais e metabólicos.

Entretanto, completa: "Acredito que a redução maciça da atividade física habitual, principalmente aquela não relacionada diretamente à prática de exercícios, é a principal causa da alteração que temos testemunhado nos últimos 30, 40 anos".

Espalhar doces pela casa

Esse tipo de hábito estimula as famosas "beliscadas". Proibir não é a saída, e, portanto, eles podem ser oferecidos em horários que não interfiram nas principais refeições. As porções, porém, devem ser controladas.

Evitar a rotina para as refeições

Mastigação rápida, ausência de horários e não realização de algumas refeições são alguns dos erros mais comuns. A correção deve ser gradual e deve partir das ações mais simples, até atingir aquelas de maior dificuldade.

Assistir à televisão no quarto

O tempo gasto assistindo à TV ou no computador aumenta o risco de que as crianças sejam obesas. A Academia Americana de Pediatria recomenda não mais do que 2 horas/dia diante das telinhas, sejam elas do computador, TV, vídeos ou games. Use o tempo livre para atividades físicas. Uma alternativa são jogos recreativos ou eletrônicos que incentivem o movimento.

Driblar maus hábitos

A nutricionista Flavia De Conti, da Nutrociência Assessoria em Nutrologia, concorda e acrescenta que, do ponto de vista cultural, psicológico e social, a criança absorve as influências de seu meio. "Por isso, os pais precisam ficar atentos às suas próprias atitudes, sobretudo à ingestão diária de alimentos considerados não saudáveis."

Quando o problema já se instalou, a sugestão da Academia Americana de Pediatria é viver uma vida mais ativa. E essa atitude não se limita apenas a driblar o sedentarismo e os fast-foods. Esse novo paradigma exige ações como a consulta a um pediatra. O primeiro objetivo é pesquisar possíveis causas físicas ou emocionais. "A maior parte dos especialistas está capacitada para detectar aspectos que merecem cuidados psicológicos. Mas o encaminhamento não é uma prática comum, embora seja cada vez mais frequente", afirma Patrícia Spada, psicóloga clínica do Hospital Infantil Sabará e autora do livro Obesidade infantil: aspectos emocionais e vínculo mãe/filho (Revinter).

"Superada essa fase, seguem-se as práticas que serão coconstruídas por profissionais e pela família", observa a nutricionista Camila Leonel Mendes de Abreu, do Centro de Atendimento e Apoio ao Adolescente da Unifesp. "Cada grupo familiar deve ser compreendido e acolhido com sua história, valor, crença e saber", observa.

Obesidade com psicologia

Patrícia Spada explica que, algumas vezes, quadros de obesidade podem estar vinculados a dificuldades de socialização, baixa autoestima, baixo rendimento escolar, reações agressivas sem motivo aparente (em casa ou na escola), dificuldade em se separar dos pais (dormir, comer, vestir-se sozinhos) ou realizar tarefas de rotina, tristeza significativa ou ansiedade que se refletem na forma e quantidade de alimentação. "Não raramente, a criança se sente pressionada demais pelos pais, sem condições emocionais, e muitas vezes físicas, para responder às suas expectativas", completa a psicóloga.

Por isso, o diagnóstico de obesidade é sempre um drama para a família, pois ele reflete seu desespero e impotência. A situação requer mudanças e isso pode ser bastante desconfortável para todos.

Faça o que digo, não o que faço

Apesar desses aspectos, quando os pais se conscientizam do impacto da dinâmica familiar na saúde dos filhos e compreendem que são estes as maiores vítimas da ridicularização, eles geralmente se apressam na prática de novas formas de viver, o que exige coerência. A regra do faça o que eu digo, não o que eu faço, já não valerá mais.

"Seja num tratamento ou na prevenção da obesidade, o segredo é mudar os costumes alimentares da casa e da criança, aumentando a prática de atividades físicas", comenta a nutricionista Marize Martins, da Clínica Médica Desportiva Cardiomex (RJ).

E a melhor forma é enfrentar o problema. "Os pais devem mobilizar suas forças para o entendimento dos motivos que levaram a criança a se tornar obesa. E, por outro lado, precisam agir como um time na prática de atitudes que levem à modificação de hábitos prejudiciais à saúde de todos", diz Patrícia.

Ter muitos refrigerantes disponíveis na geladeira

O controle da ingestão dessas bebidas deve ser gradual. É comum que crianças e adolescentes tomem líquidos para deglutir rapidamente os alimentos. As bebidas do tipo gasosas, além de interferirem no metabolismo ósseo e no esmalte dos dentes, causam distensão gástrica e aumentam a capacidade de ingestão de alimentos. Prefira beber sucos ou água.

Comer muito fast-food

Não proibir alimentos com elevado conteúdo calórico pode limitar a adesão ao novo estilo de vida. Se for impossível evitá-los, a solução é ficar de olho nas porções: evite as individuais e tamanhos grandes.

Dar o mau exemplo

Um estudo publicado no International Journal of Obesity concluiu que o comportamento dos pais, mais do que a genética, pode influenciar negativamente filhos do mesmo sexo. Prefira alimentos nutritivos e evite trazer os não saudáveis para casa; controle as porções; desligue o computador e a TV e inclua atividades físicas à sua rotina.

Não fazer as refeições sentados à mesa

A aceitação dos alimentos se dá por repetição, exposição e pelo condicionamento social. O modelo para o desenvolvimento de hábitos e preferências é familiar. Desde o primeiro ano de vida, a criança deve observar como as outras pessoas se alimentam. O ambiente deve ser calmo e tranquilo. Livre-se da TV e das distrações (brincadeiras e jogos). A atenção voltada para o ato de alimentar-se ativa os mecanismos de saciedade no organismo.

Só sair de casa no carro da família

Atividades físicas previnem e controlam a obesidade, apesa

Deixe seu Comentário

Leia Também

HOMICIDIO X SUICÍDIO
Marido mata esposa e tira própria vida; criança de 3 anos pede socorro a vizinho
NEGLIGÊNCIA
Criança de 2 anos ao volante mata prima de 3 anos atropelada
CARROS SEMINOVOS
Como fazer uma boa escolha de veículos seminovos
LUTO NA TV
Ator Luis Gustavo morre aos 87 anos, vítima de câncer
EM DECLINIO
Covid-19: Brasil registra 21,2 milhões de casos e 590,7 mil mortes
TSUNAMI NO BRASIL?
Brasil pode ser atingido por tsunami; entenda
SERPENTE
Rapaz de 18 anos é atacado por jararaca durante pescaria
TRIBUNAL DO CRIME
Traficantes enterram mulher viva para vingar denúncia
TEMPESTADE
Temporal derruba árvore sobre carros e deixa bairros no escuro
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: ministério registra 34,4 mil casos e 643 mortes em 24 horas
Fátima News
Avenida 09 de Julho 2135 - Centro - Fátima do Sul/MS
(67) 99638-6610 rogerio@fatimanews.com.br
© Fátima News. Todos os Direitos Reservados.