Menu
SADER_FULL
terça, 3 de agosto de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Brasil

País cria grupos de apoio para transtornos mentais

2 Jul 2010 - 06h28Por Folha Online

O Ministério da Saúde vai incentivar com recursos financeiros a criação de grupos de ajuda mútua para pacientes com transtornos mentais em todo o país.

Inspirados no Alcoólicos Anônimos e em serviços dos EUA e da Europa, os grupos de apoio reúnem pacientes para discutir problemas do dia a dia e criar maneiras simples de driblá-los.

O plano faz parte da Reforma Psiquiátrica, iniciada em 2001, que tem como objetivo eliminar gradualmente os hospitais psiquiátricos e tratar os pacientes em centros de atenção psicossocial.

A proposta será votada hoje durante a 4ª Conferência Nacional de Saúde Mental, que acontece em Brasília.

"O ministério considera esses grupos uma ferramenta importante para a reabilitação social dos pacientes. Se for aprovado, e eu espero que seja, isso será incorporado ao programa nacional de saúde mental", afirmou Pedro Gabriel Delgado, coordenador de Saúde Mental, Álcool e Drogas do ministério.

O número de grupos e o total da verba que será liberada ainda não estão definidos. Isso depende do interesse das cidades e das associações de familiares de pacientes com transtorno mental candidatas a receber a verba para a formação desses grupos. Hoje, há 140 associações cadastradas no ministério.

Um projeto piloto está em andamento no Rio de Janeiro, em Angra, e em Teresina (PI) há dois anos. O trabalho é coordenado pelo psicólogo e professor da UFRJ Eduardo Mourão Vasconcelos.

Segundo ele, o ministério liberou R$ 180 mil para serem investidos na capacitação dos voluntários -que são ex-pacientes na fase avançada de reabilitação.

A dinâmica, no entanto, é um pouco diferente da praticada nos Alcoólicos Anônimos: o grupo de apoio mútuo não segue a cartilha de 12 passos para se recuperar.

"O método de 12 passos tem pontos positivos, mas tem uma doutrina muito endurecida. Nossa proposta é ter uma dinâmica mais livre", diz Vasconcelos.

Valentin Gentil, chefe do Departamento de Psiquiatria do Instituto de Psiquiatria da USP, critica a liberação de recursos para a formação desses grupos e diz que o governo deveria investir em mais ambulatórios e CAPS (centro de atenção psicossocial).

"Existe um conflito muito grande por trás disso tudo, parece uma ação antimédicos. Os grupos de apoio não são ruins, mas cada vez mais o ministério usa os recursos da saúde sem priorizar o atendimento médico. Não vejo mudança nenhuma que favoreça a população", afirma o psiquiatra.

PACIENTES DEVERÃO TER "CARTEIRINHA"

A criação de um cartão de crise para o paciente também está sendo avaliada na conferência de saúde mental. O documento teria informações pessoais do doente, como por exemplo se ele mora sozinho, quem deve ser procurado caso ele tenha um problema, qual o serviço de saúde que o acompanha, etc.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSIDADES
Silvio Santos volta aos programas inéditos e comenta Faustão na Band: "coitado"
AUXILIO POPULAÇÃO
Trabalhadores nascidos em janeiro podem sacar auxílio emergencial
CÃOPAINHA
Cachorro toca campainha após ficar trancado fora de casa
SONHO INTERROMPIDO
Ultimo ensaio fotográfico minutos antes de médico sofrer choque e morrer nas vésperas de casamento
OLIMPÍADA
Rebeca é prata e faz história na ginástica olímpica em Tóquio
FENÔMENO DA NATUREZA
Chuva de meteoros será visível na madrugada de quinta para sexta em todo Brasil
A CASA CAIU
Mulheres se unem e surram "valentão" flagrado agredindo ex no meio da rua
CRISE HÍDRICA
Novas fontes preparam MS para a crise hídrica, ressalta governador
ABAIXO DE ZERO
Com -8,6°C, SC registra a menor temperatura do Brasil em 2021, diz Inmet
COVID-19
Em dia de aumento de casos Brasil tem 1.333 óbitos por Covid - 19 nas últimas 24 horas