Menu
SADER_FULL
terça, 27 de outubro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Pacote de Lula prevê salário de R$ 800 para professor

16 Mar 2007 - 08h42

O Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), apresentado nesta quinta-feira (15) pelo ministro Fernando Haddad a educadores, prioriza investimento e ações no ensino básico. Entre as medidas estão a criação de um índice para avaliar a qualidade de ensino nos estados e municípios, o estabelecimento de um piso salarial de R$ 800 para professores em todo o país e o aumento do prazo de pagamento do financiamento estudantil.

Os educadores devem mandar críticas ao ministério por e-mail para que sejam feitas possíveis modificações no plano. O ministro acredita que algumas das medidas poderão ser implementadas a partir de abril.

Para Haddad, a melhoria dos outros níveis de ensino depende da educação básica. Por isso o governo quer criar um índice para avaliar a qualidade do ensino. Desta forma, o repasse de recursos federais para estados e municípios ficará condicionado ao bom desempenho nessa avaliação.

"A nossa intenção inicial é atender os mil municípios que estão em situação mais dramática. O indicador está muito baixo e é até injustificável deixar as crianças na situação em que se encontram", disse Haddad.

"Piores do mundo"

Outra prioridade é a alfabetização. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva admitiu no discurso que fez na abertura da reunião com os educadores que a política para esse setor foi insuficiente no primeiro mandato. Ele afirmou que o sistema educacional brasileiro está "entre os piores do mundo". Leia mais aqui.

Por isso, o governo buscará acompanhar a alfabetização através da chamada “Provinha Brasil”. Ela será aplicada em alunos de seis a oito anos.

“Nós temos que garantir que as crianças, no máximo até oito anos, estejam todas alfabetizadas e que a partir dos dez anos tenham adquirido competências e habilidades próprias da idade. Isso é possível, há sistemas que comprovam que isso é uma possibilidade e precisamos disseminar as boas práticas no pais”, disse o ministro da Educação.

Além disso, o governo planeja pagar um benefício extra do Bolsa Família para jovens de 15 a 17 anos tendo como contrapartida a freqüência na escola. “A bolsa vai ser oferecida para o jovem de famílias situadas abaixo da linha de pobreza voltar à escola”, explicou o ministro.

Financiamento estudantil

A proposta para o ensino superior é elevar para até dez anos o pagamento do financiamento estudantil e garantir até 100% da bolsa. O pagamento do empréstimo ficaria consignado em folha de pagamento a partir do primeiro emprego do jovem. Para o ensino médio, o governo quer implementar novos centros de educação profissional.

Combinado com as medidas destinadas ao estudante, o governo vai propor um piso salarial dos professores de R$ 800 em todo o país. O ministro reconheceu que a implementação do plano é difícil e projeta para um horizonte de até dez anos a coleta dos resultados.

“A implementação desse plano não vai ser fácil. Provavelmente nos próximos anos o Brasil vai ainda ficar em lugares baixos em relação aos resultados da Prova Brasil, às comparações internacionais. O resultado disso só vai se ver em cinco, dez anos porque a educação não é uma questão de alguns meses”, afirmou Haddad.

 

 

 

G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL - 157.397 MORTES
Brasil tem mais 263 mortes e 15.726 novos casos de covid-19
ALIVIO NO BOLSO
Petrobras reduz preços de gasolina e diesel a partir desta terça (27)
BARBÁRIE
Marido mata mulher a facadas dentro de casa durante almoço de domingo
CAPOTAMENTO
Carro capota várias vezes ao fazer curva na MT-412 e mata fotógrafo
BRASIL - 157.134 MORTES
Brasil acumula 5,3 milhões de casos e 157 mil mortes por covid-19
AJUDA FINANCEIRA
Caixa paga 2ª parcela de R$ 300 da extensão do auxílio emergencial
SIM A VIDA
Brasil se une a Egito, Indonésia, Uganda, Hungria e EUA em declaração contra o aborto
Invasão em residência acaba morador morto por tiro acidental TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem mata o próprio irmão ao atirar em invasor de residência
GUERRA DA VACINA
Bolsonaro diz que não comprará vacina chinesa, mesmo se aprovada pela Anvisa
Motorista da carreta diz que ainda tentou desviar, mas não conseguiu DOENÇA DO SÉCULO
Menor pega carro escondido, joga contra carreta e morre na hora