Menu
SADER_FULL
sábado, 28 de março de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Operação policial prende 500 no Iraque

13 Jul 2004 - 14h12
A polícia iraquiana deteve mais de 500 supostos criminosos em batidas em Bagdá hoje, disse uma fonte do Ministério do Interior. "Até agora a polícia já prendeu 527 pessoas em Rusafa", disse a fonte, referindo-se a um trecho na margem leste do rio Tigre, em Bagdá.

Ele disse que as batidas policiais começaram de madrugada e ainda estavam sendo feitas. "O número (de detidos) é maior do que esperávamos", disse a fonte à Reuters, acrescentando que os detidos incluíam supostos traficantes de armas e de drogas.

Ela disse que as operações continuariam na região de Rusafa e seriam ampliadas para outras áreas na capital. "O crime organizado está presente em várias áreas e precisamos acabar com isso", disse a fonte.

O ex-presidente iraquiano Saddam Hussein havia libertado todos os criminosos comuns como parte de uma anistia em outubro de 2002, uma medida que muitos afirmam ter contribuído para aumentar os crimes.
 
Dourados News

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORONAVÍRUS NO BRASIL
Senado votará na segunda auxílio de R$ 600 para trabalhadores
TRABALHO VOLUNTÁRIO
Detentas começam confeccionar máscara de proteção para atender Jateí, Vicentina e Fátima do Sul
COVID-19 NO BRASIL
Brasil tem 92 mortes e 3.417 casos confirmados de novo coronavírus, diz Ministério da Saúde
PANDEMIA CORONAVIROS
São Paulo tem 68 mortos por coronavírus, média de uma a cada 2 horas e 20 minutos, e 1.223 casos
LINHA DE CRÉDITO
Governo lança pacote de R$ 40 bi para socorrer pequenas e médias empresas
AMOR AO PROXIMO
Xuxa vai doar R$ 1 milhão ao SUS para combate ao coronavírus
77 MORTOS
Casos de coronavírus no Brasil em 27 de março
REFORÇO
Câmara aprova projeto que prevê R$ 600 por mês ao trabalhador informal por conta do coronavírus
CORONAVÍRUS NO MUNDO
EUA se torna novo epicentro da pandemia com 82 mil casos confirmados de coronavírus
ATIVIDADES ESSENCIAIS
Governo define lotéricas e igrejas como atividades essenciais