Menu
ASSEMBLEIA DEZEMBRO 2021
terça, 7 de dezembro de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

OMC autoriza Brasil a retaliar EUA por subsídios ao algodão

19 Nov 2009 - 15h13Por AFP

A Organização Mundial do Comércio (OMC) autorizou nesta quinta-feira o Brasil a começar a aplicar sanções contra os Estados Unidos pelos subsídios ilegais concedidos pelo governo americano aos produtores de algodão.

Mas, o País ainda não está pronto para colocar em prática a medida, pois ainda está analisando quais produtos americanos serão penalizados e também avalia os dados sobre os subsídios para saber o tamanho da retaliação.

"Hoje é o dia a partir do qual o Brasil recebe a autorização para tomar medidas de represália. Podem começar a impor as sanções quando quiserem", assinalaram fontes da organização.

Em 31 de agosto passado, a OMC decidiu impor sanções aos Estados Unidos a favor do Brasil em seu litígio sobre as subvenções que Washington concede a seus produtores de algodão, e que poderão chegar este ano a US$ 800 milhões.

Em setembro de 2002, o Brasil apresentou uma queixa contra os subsídios americanos ao algodão ante a OMC. Um painel de resolução de conflitos e outros de apelação deram razão sucessivamente aos brasileiros.

Leia Também

SONHO DA MATERNIDADE
Servidora Pública perde marido para a Covid, mas realiza sonho e dá à luz trigêmeos
LIÇÕES DA BIBLIA
O céu dos céus
covid_04.12 COVID NO BRASIL
Covid-19: país tem 22,1 milhões de casos e 615,5 mil mortes
LIÇÕES DA BIBLIA
Deuteronômio em escritos posteriores
ABUSO DE AUTORIDADE
PM arrasta homem negro algemado em moto; "Como na escravidão", diz gravação
REVOLTANTE
Índia de 13 anos violentada pelo avô busca ajuda e acaba estuprada por 4 em unidade saúde
DOENTIO
Mulher descongela geladeira e encontra corpo de bebê escondido em sacola
PONTE BIOCEÂNICA
Ponte Bioceânica vai ganhar nova data de lançamento; Bolsonaro e Marito participam
AÇÕES DO GOVERNO MS
Com estados da região Sul, Azambuja quer integração ferroviária e união para redução de carbono
PIX SAQUE
Pix Saque começa hoje:comércio vê nova ferramenta como chamariz para clientes,mas teme por segurança