Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 18 de maio de 2021
Busca
Brasil

Número de mulheres com aids é o maior desde a década de 80

30 Nov 2004 - 15h36
O número de mulheres infectadas pelo vírus HIV, transmissor da aids, é o maior desde a década de 80, quando começou a epidemia. Foram 12.599 notificações, em 2003, contra 10.566, em 1998, cerca de 16% as mais. A informação consta no Boletim Epidemiológico da Aids 200, divulgado nesta terça-feira, pelo Programa Nacional de DST/Aids, do Ministério da Saúde.

Apenas nos primeiros seis meses deste ano, já foram registrados 5.538 casos de aids em mulheres. O avanço da doença entre as mulheres é uma das principais preocupações do governo brasileiro. Tanto que foi o tema escolhido para o Dia Mundial de Luta contra a Aids, nesta quarta-feira (1º).

Entre os homens, o boletim revela que a tendência é de estabilização da doença. No ano passado, foram notificados 19.648 casos, quase 7% menos do que em 1998, quando houve 21.056 registros. A estabilização ocorreu, principalmente, entre os homens homossexuais ou bissexuais.

Em 1998, esse grupo representava quase 30% do total de infectados do sexo masculino, passando para 25%, em 2004. Situação inversa ocorreu com os heterossexuais, que representavam cerca de 30% dos homens infectados, em 1998, e hoje são 42%.

Em conseqüência da contaminação feminina, houve 201 casos de crianças até 13 anos, no primeiro semestre deste ano. Trata-se da chamada transmissão vertical, da mãe para o filho. Em 2003, foram 519 casos de transmissão vertical.

O boletim revela a redução de infectados entre os usuários de drogas, principalmente as mulheres. Há uma década, essa era a forma de infecção feminina em 17% dos casos. Hoje, é responsável por apenas 4,3% das notificações. Entre os homens, passou de 27% para 13%, em dez anos.

A taxa de mortalidade também apresentou estabilidade, nos últimos anos. No público masculino, o índice de 2003 é o mesmo de 2001: 8,8 mortes em cada grupo de 100 mil homens. Entre as mulheres, houve um pequeno aumento, de 3,9 mortes por 100 mil mulheres, em 2001, para 4 mortes por 100 mil, em 2003.

O diretor do Programa Nacional de DST/Aids, Pedro Chequer, destacou que a queda da mortalidade mais acentuada em determinados municípios do país, como São Paulo, é resultado da maior eficiência do sistema de saúde. "Quando o sistema de saúde funciona e responde precocemente ao diagnóstico e ao tratamento, pode-se modificar o perfil da epidemia do ponto de vista da incidência e da mortalidade", afirmou.

Sífilis congênita
O Boletim Epidemiológico de Aids 2004 também apresenta, pela primeira vez, dados sobre sífilis congênita. De janeiro a junho deste ano, foram 2.221 casos da doença em bebês, uma incidência de 0,7 casos a cada mil nascidos vivos. Depois da Aids a sífilis é a doença sexualmente trasmissível mais perigosa.

Segundo o coordenador do Programa Nacional de DST/Aids, Pedro Chequer, o objetivo de divulgar dados sobre a sífilis no boletim é dar destaque a esta outra doença sexualmente transmissível. Sem tratamento, a gestante que estiver com sífilis tem 40% de chance de perder o bebê. Corre o risco ainda de ter um filho com surdez, má formação óssea ou problemas neurológicos.

O boletim revela que a maioria dos casos de sífilis ocorre em mulheres entre 20 e 29 anos, tendo sido a doença diagnosticada durante o pré-natal. Se os números da sífilis se mantiverem no segundo semestre, 2004 terminará com ligeira queda dos índices em relação a 2003, quando foram registradas 4.607 ocorrências congênitas (incidência de 1,5 casos a cada mil nascidos vivos).

 

 

Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA NO HARAS
Vaqueiro morre ao ser arrastado por boi durante vaquejada, em Paranatama; veja vídeo
Foto: Divulgação/Instagram LUTO NA MÚSICA
MC Kevin morre aos 23 anos no Rio de Janeiro
SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho