Menu
SADER_FULL
domingo, 24 de outubro de 2021
Busca
Brasil

Negociação de venda da Coopernavi está burocratizada

30 Jun 2006 - 17h39
Faltam aproximadamente 30 dias para a decisão final sobre a venda da Coopernavi – Cooperativa dos Produtores de Cana-de-Açúcar de Naviraí. No domingo que passou (25), o presidente da cooperativa, Ibanês Viero, esteve reunido com pelo menos 70 por cento dos 28 associados, e em assembléia, foi aprovada a conferência dos bens para a subscrição e integralização de capital, que em síntese, transforma a cooperativa em Usina Coopernavi Sociedade Anônima. A transformação jurídica de cooperativa para sociedade anônima é o primeiro passo decisivo na venda da Coopernavi, embora quatro dos cooperados, entre eles a empresária Iolanda Tormena Fabris (viúva do fundador da usina, Euclides Fabris), seriam contra a venda, por isso, nem participaram da assembléia.
O cooperado e prefeito de Naviraí, Zelmo de Brida, confirma que o processo realmente é meticuloso e burocrático, e que as condições necessárias apontadas pelos investidores estrangeiros estão sendo cumpridas uma a uma. Contudo, Zelmo prefere o desenrolar dos acontecimentos para dar qualquer informação. “Que os procedimentos estão acontecendo e que em 30 dias poderemos ter a concretização deste negócio, é uma realidade. Mas não quero me antecipar ao presidente e, muito menos, lançar uma expectativa que não esteja sacramentada”, limitou-se a explicar o cooperado.
Segundo o site de notícias sulnews, a negociação foi confirmada pelos cooperados Nelson Donadel e José Telmo Viero, e um grupo de negociadores do interior paulista estaria intermediando as negociações com um grupo empresarial americano-canadense (Bill Kidds Company).
Com a insistência da imprensa, Zelmo acabou declarando que “temos informações de que a proposta dos investidores é quintuplicar a produção. Hoje a Coopernavi processa 2 milhões de toneladas de cana por safra. Fechado o negócio a indústria passará a moer 12 milhões de cana. Isso significa um salto extraordinário na produção e plantio de cana e resultará no fomento de toda economia local. Eu não tenho dúvida que este é um grande negócio para a Coopernavi, para o Município e para toda a população, pois também haverá a necessidade de mais mão-de-obra”, considerou Zelmo de Brida.
O Portal do MS buscou informações sobre os valores reais desta negociação, mas as informações são desencontradas. As fontes oscilam, e o preço seria de R$ 230 milhões chegando a R$ 260 milhões. Porém, de acordo com Zelmo de Brida, está totalmente descartada a informação de que um dos compradores seria o bilionário Bill Gates, conforme foi noticiado no início do ano.
Atualmente, os usineiros da Coopernavi plantam 25 mil hectares de cana. Esta quantia permite a produção de 80 milhões de litros de álcool e três milhões de sacas de 50 quilos de açúcar por safra. Na safra 2005/2006 a Coopernavi moeu 1,8 milhão de toneladas. Com mix de produção de 50% para açúcar e 50% para álcool, a Coopernavi é a maior usina do Cone Sul do Estado de Mato Grosso do Sul, e uma das maiores do Estado, que já emprega no pico da safra 2.500 empregados.
 
 
Sul News

Leia Também

OLIMPÍADA 2024
Atletas de MS terão bolsas de até R$ 7 mil para competir nos jogos olímpicos
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS
ALERTA TEMPORAIS
Chance de Tempestades (La Ninã) no final do ano é de 87%, aponta atualização do NOAA
LIÇÕES DA BÍBLIA
Ele nos amou primeiro