Menu
SADER_FULL
quarta, 12 de maio de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

"Não se brinca com o Brasil" diz Parreira

26 Jul 2004 - 09h22
Carlos Alberto Parreira costuma ser comedido, nos momentos de tensão e de alegria. Mas neste domingo deixou de lado um pouco o estilo altivo e não conteve a emoção. Assim que terminou a partida, enquanto os jogadores comemoravam a conquista no centro do campo, o treinador tetracampeão do mundo mandou o recado para os argentinos. “Quiseram pisar na bola e fazer gracinha”, desabafou. “Não se brinca com o futebol brasileiro.”

O recado era para Tevez, o irrequieto atacante que decidiu brincar nos últimos minutos do tempo normal, logo depois do gol de Delgado que deixava a Argentina com a mão na taça pela 15ª vez. Parreira, em seguida, se recompôs, reconheceu que a emoção era grande e transferiu o sucesso para o jovem grupo que levou para o Peru. “Os jogadores ganharam confiança durante a competição”, lembrou. “A evolução foi natural.”

Parreira preocupou-se mais no primeiro tempo, quando a pressão argentina era maior. A marcação no meio-campo era um tormento. “Eles movimentavam-se muito, com qualidade, e isso dificultava o trabalho de Renato, Edu e Kleberson”, admitiu. “É uma equipe sempre difícil de marcar. Tínhamos de equilibrar as jogadas pelo meio.” Mas, como o empate havia chegado em cima da hora, preferiu não mudar. As alterações ficaram para o segundo tempo e foram mais táticas.

Parreira ‘contaminou-se’, de certa forma, pela empolgação de Zagallo. O coordenador da seleção, 73 anos, comemorou como garoto. E, para variar, viu indícios de sorte no resultado. “Brasil campeão ou Argentina vice têm 13 letras”, brincou.

 

Estadão

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada
TERROR NA CRECHE
Sob forte emoção moradores de Saudades realizam velório coletivo das vítimas do ataque à creche
CHEGANDO FORTE
Frio chega com força e provoca geada no Sul
TERROR EM CRECHE
Jovem invade escola e mata três crianças e duas funcionárias