Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 11 de agosto de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Na Assomasul, prefeitos divergem sobre rateio do ICMS

17 Abr 2007 - 10h02

Em assembléia-geral no plenário da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), nesta manhã em Campo Grande, os prefeitos estão divergindo sobre proposta de rateio igualitário do ICMS. Para o prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad, a destinação de parte do imposto para questões sociais deve ser equacionada com a parte que cabe ao Estado. “Esta vertente deve ser suprida com outra parte do recurso”.

Já o prefeito de Maracaju, Maurílio Azambuja, reclama de prejuízos. “Meu município é a capital da soja em Mato Grosso do Sul e o que está recebendo não é condizente com aquilo que produzimos”.

Lembrando que 90% dos municípios do Estado são de pequeno porte, Osvani de Matos, prefeito de Dois Irmãos do Buriti, defende a criação de um mecanismo compensatório. “Os grandes municípios recolhem o imposto tanto da produção quanto da comercialização. Nós, os pequenos recolhemos apenas da produção”.

Certo de que não haverá consenso nesta questão, o presidente da Assomasul, Eraldo Jorge Leite está defendendo na assembléia-geral, a formação de uma comissão para discutir melhor o assunto na Assembléia Legislativa.

Na pauta das discussões, figura ainda a possibilidade de unificação do aumento salarial para os servidores públicos dos 78 municípios do Estado. A maior preocupação dos administradores é com o aumento do salário mínino de R$ 380, que começou a valer no dia 1º, concedido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A medida provisória assinada pelo Planalto que elevou o salário mínimo de R$ 350 para R$ 380, representa um reajuste de 8,57% - com o desconto da inflação, o aumento fica em 5,41%.

Conforme o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), no Brasil, 43,7 milhões de pessoas têm seu rendimento ligado ao salário mínimo, entre eles 16 milhões são aposentados do INSS, cerca de 5 milhões são trabalhadores domésticos e 9 milhões são autônomos.

A maioria dos prefeitos trata o assunto com cautela, lembrando que as prefeituras hoje não têm condições de elevar muito suas receitas por causa das restrições previstas na LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal).

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL - 102.034 MORTES
Brasil confirmou 102.034 mortes e contabiliza 3.068.138 infectados pela Covid-19.
SAÚDE
CLOROQUINA: Pacientes reumáticos que fazem uso de cloroquina não estão imunes ao coronavírus
CORONAVIRUS NO ESPORTE
Covid-19: jogo do CSA é adiado após confirmação de mais nove casos
ESTAVA DESAPARECIDO
Policial Militar é encontrado morto dentro de fossa e pode ter sido assassinado
FATALIDADE
Homem morre soterrado em armazém de soja enquanto fazia limpeza
100 MOTIVAÇÃO
Desiludido e com medo de contágio, eleitor de MT vai sumir das urnas
HORÓSCOPO DO DIA
Horóscopo do dia: a previsão de hoje (11/8) para o seu signo
SOB INVESTIGAÇÃO
Pai provoca acidente e mata filhos no Dia dos Pais
DESRESPEITOSO
Bolsonaro é alvo de ação por falas sobre mulheres
HORÓSCOPO DO DIA
Horóscopo desta terça-feira 11 de agosto de 2020