Menu
SADER_FULL
quarta, 30 de setembro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

Murilo reúne-se com o setor produtivo e defende desoneração tributária

1 Set 2010 - 07h15Por Fátima News

Pelo menos 500 pessoas, entre empresários, comerciantes, prestadores de serviços e profissionais liberais reuniram-se na noite de ontem (30.08) em Campo Grande com o candidato a senador Murilo Zauith. Na ocasião ele defendeu a desoneração tributária como forma de garantir o fortalecimento da atividade econômica, a atração de novos investimentos privados para o estado e a geração de postos de trabalho.

 

 Além de Murilo, participaram do encontro o candidato a suplente de senador Edil Albuquerque, o governador André Puccinelli, o prefeito Nelson Trad Filho e o presidente da Câmara Municipal de Campo Grande, Paulo Siufi, além de outras lideranças políticas, e dos setores da indústria, comércio, serviços e profissionais liberais.

 

Murilo defendeu o modelo implementado nos últimos três anos e meio de governo, que estabelece a geração de novos postos de trabalho por meio de incentivos fiscais ao setor produtivo. “Dessa maneira conseguimos atrair uma série de indústrias que garantiram a geração de mais de 50 mil empregos”, argumentou.

 

Apesar do sucesso da administração nesse contexto, Murilo disse que é preciso avançar ainda mais, principalmente por meio da desoneração tributária no âmbito do setor comercial, que hoje é responsável por mais de 60% do que é arrecadado pelo governo. Para corrigir essa situação ele disse que um dos primeiros projetos que apresentará no Senado terá como objetivo ampliar o teto do Simples, de R$ 2,4 milhões para R$ 3,6 milhões.

 

“Todos os tributos foram agrupados por meio de lei federal para que o micro e o pequeno empresário pagassem um só imposto. Nós temos que aumentar este teto para que mais empresários possam se integrar a esse sistema simplificado de tributação”, defendeu.

 

A reforma tributária foi outro ponto defendido por Murilo durante o encontro. “Temos que rever a forma como o bolo formado pela arrecadação de impostos é dividido. Hoje o governo federal fica com dois terços de tudo o que é recolhido, o que provoca a manutenção da chamada “política do pires na mão”. Os municípios ficam sem recursos próprios para investimentos e os Estados também são penalizados por conta do atual sistema distributivo”, destacou.

 

Apoio - Na reunião, além de Puccinelli, Nelson Trad Filho e Paulo Siufi, manifestaram apoio à candidatura de Murilo o presidente da Fiems, Sérgio Longen, e o ex-prefeito de Campo Grande, Juvêncio César da Fonseca.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

AGORA É LEI
AGORA É LEI: Prisão de até 05 anos para maus-tratos contra cães ou gatos
PANDEMIA
Covid-19: Brasil tem 142 mil óbitos e 4,74 milhões de casos acumulados
+ CONSUMO
Intenção de consumo das famílias volta a crescer após cinco quedas
Motorista registrou a travessia de uma jiboia na avenida Ayrton Senna, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. FORA DO HABITAT
VÍDEO: motorista flagra jiboia cruzando pista de avenida no RJ: 'olha isso'
Só queria que me entendessem sem preconceito! PRECONCEITO
Jovem é expulso de casa ao assumir namoro com mulher trans
Yan e um comparsa renderam mãe e filha na rua CRIMINOSO
Bandido morto pela PM arrancou família de carro e agrediu mulher uma semana antes
O diesel não sofreu reajuste. + ALTA
Gasolina sobe 4% nas refinarias, anuncia Petrobras
O total de mortes causadas por covid-19 chega a 138.108, um acréscimo de 0,6% sobre a soma de segunda Saúde
Covid-19: Brasil tem 33,5 mil novos casos e 836 mortes em 24 horas
HERANÇA PORTUGUESA
A herança portuguesa na vida cotidiana do Brasil
Os beneficiários nascidos em janeiro  3,9 milhões de pessoas  poderão sacar AJUDA FINANCEIRA
Caixa paga nova parcela do auxílio emergencial para 5,6 milhões de pessoas