Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 16 de outubro de 2021
Busca
Brasil

Multa maior do FGTS vai beneficia família com até 10 salário

8 Dez 2006 - 16h51

A multa maior do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) vai beneficiar programas habitacionais voltados a famílias que ganham até 10 salários mínimos, segundo informou nesta sexta-feira o ministro Guido Mantega (Fazenda).

O governo defendia, antes, que os recursos beneficiassem famílias que ganhassem até cinco salários mínimos. Com a mudança, a medida deve subsidiar também mutuários de classe média.

"Estamos falando de uma população de zero a 10 salários mínimos, que normalmente não tem poder aquisitivo para pagar a prestação da casa própria", disse.

Hoje as empresas pagam uma multa de 50% do FGTS no caso de demissão sem justa causa de trabalhadores com carteira assinada. Desse total, 40% vão para o trabalhador e 10% para o governo arcar com despesas dos expurgos do FGTS.

Como essas despesas devem ser totalmente quitadas até janeiro, havia expectativa entre empresários de que a multa voltasse a ser de 40%.

Com a participação dos mutuários, Mantega afirmou que o aumento no investimento em habitação pode chegar a R$ 10 bilhões em quatro anos, sendo mais de R$ 6 bilhões do FGTS. O adicional representa R$ 1,6 bilhão por ano do FGTS.

"Queremos canalizar a multa adicional para a compra da casa própria. O objetivo original era cobrir um esqueleto do FGTS, como esse buraco foi coberto, [o recurso] pode ser usado na subvenção das parcelas do financiamento habitacional", disse o ministro.

O objetivo, segundo Mantega, é aumentar o acesso à casa própria e o incremento no setor de habitação e construção civil. "Isso faria com que novos segmentos, principalmente a baixa renda, tivessem acesso à compra da casa. Se prolongássemos por mais quatro anos, teríamos investimento de mais R$ 10 bilhões na habitação", disse.

Para a mudança, Mantega informou que um projeto de lei será encaminhado ao Congresso para que o fim da taxa adicional de 10% seja previsto e para mudar a destinação dos recursos.

O prazo de vigência da taxa ainda não está definido porque Mantega quer conversar com vários setores. "Quem paga essa conta é o empresariado", disse o ministro.

Para convencer os empresários a apoiar a medida, Mantega disse que a continuação do FGTS maior virá acompanhada de medidas de desoneração de tributos para que o impacto não seja tão grande para as empresas. As reduções de tributos deverão ser anunciadas nas próximas semanas.

 

 

Folha Online

Leia Também

LIÇÕES DA BÍBLIA
Ame o Senhor, seu Deus
BRASIL VERDE
Governadores avançam na criação de consórcio em defesa do desenvolvimento sustentável
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
LIÇÕES DA BÍBLIA
Outras imagens
LIÇÕES DA BÍBLIA
Seu povo especial
REVOLTANTE
Vanessa, de 18 anos, é atropelada e morre após reagir a assédio
LIÇÕES DA BÍBLIA
O livro da aliança
PAVOROSO
Acumulador de lixo transforma rua de cidade modelo em paraíso das ratazanas
JOGOS MORTAIS
Escola envia carta aos pais alertando sobre a série 'round 6'
NAUFRÁGIO
Barco naufraga e duas pessoas desaparecem; buscas continuam nesta segunda (11)